ExercíciosLiteratura

Os 10 melhores exercícios sobre Manuel Bandeira com o Gabarito!

melhores exercícios sobre Manuel Bandeiramelhores exercícios sobre Manuel Bandeira

Membro da Academia Brasileira de Letras e um dos precursores do movimento modernista, esse foi Manuel Bandeira. Escreveu prosa e poesia, fez traduções e publicou antologias. Suas obras possuem um marcante lirismo poético. Adepto dos versos livres, Libertinagem é uma de suas obras mais famosas. Leia nosso resumo, aprenda mais características e faça exercícios sobre Manuel Bandeira.

Quer seguir diretamente para alguma parte? Clique em um dos tópicos abaixo:

Quando você terminar as questões sobre Manuel Bandeira, coloque em prática todo seu conhecimento com O Melhor Simulado Enem do Brasil!

Quem foi Manuel Bandeira?

Manuel Bandeira é considerado um dos mais importantes poetas brasileiros. Nasceu no dia 19 de abril de 1886, no Recife, Pernambuco. Aos dez anos de idade, se mudou para o Rio de Janeiro.

Um de seus poemas provocou êxtase na Semana de Arte Moderna no Brasil, ovacionado e vaiado, segue abaixo uma estrofe do poema “Os Sapos”:

Enfunando os papos,

Saem da penumbra,

Aos pulos, os sapos.

A luz os deslumbra.

Esse poema representa uma forte crítica ao Parnasianismo e às métricas rigidamente elaboradas. Utiliza a ironia e a paródia para simbolizar a ruptura com estilização da poesia.

Além de escritor, foi professor, crítico de arte e historiador literário. Assim como o verso livre, também utilizou a linguagem coloquial, a irreverência e a liberdade criadora. 

Sua escrita abordou o cotidiano e a melancolia. Um de seus poemas mais conhecidos é “Vou-me Embora pra Pasárgada”. Devido ter sido acometido de tuberculose, deu ao público “Pneumotórax”, segue abaixo um trecho:

Febre, hemoptise, dispneia e suores noturnos.

A vida inteira que podia ter sido e que não foi.

Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico:

— Diga trinta e três.

— Trinta e três… trinta e três… trinta e três…

— Respire.

O escritor morreu em 1968, devido a uma hemorragia gástrica, na cidade do Rio de Janeiro.

Ler Manuel Bandeira é rememorar o passado histórico e literário, aprender sobre prosa e poesia, conhecer a literatura brasileira. 

Quais são as principais características de Manuel Bandeira?

  • Linguagem Coloquial;
  • Adepto dos versos livres;
  • Irreverência;
  • Aproximação entre fala e escrita;
  • Utilização de elementos regionalistas;
  • Preocupação com a condição humana; 
  • Pessimismo;
  • Erotismo;

Já as principais obras do Manuel Bandeira são:

  • As cinzas da hora  (1917);
  • Carnaval (1919);
  • Libertinagem (1930);
  • Lira dos Cinquent’anos (1940);

Aqui, você pode ler nosso resumo com análise do livro “Estrela da Vida Inteira” do mesmo autor.

Agora que você já leu nosso texto, é hora de colocar em prática os seus conhecimentos!

Faça os nossos exercícios sobre o autor Manuel Bandeira e depois confira o resultado. Você também pode fazer exercícios sobre Manuel Bandeira para completar!

Os 10 exercícios sobre Manuel Bandeira!

Esperamos que, com esse resumo, tudo tenha ficado mais claro para você. 

Obrigado por ter lido até aqui!

Baixe gratuitamente o Plano de Estudos do Beduka e tenha uma preparação perfeita para o ENEM.

Questão 1- (UFMG) Leia o poema a seguir, da autoria de Manuel Bandeira:

Momento num café

Quando o enterro passou

Os homens que se achavam no café

Tiraram o chapéu maquinalmente

Saudavam o morto distraídos

Estavam todos voltados para a vida

Absortos na vida

Confiantes na vida.

Um no entanto se descobriu num gesto largo e demorado

Olhando o esquife longamente

Este sabia que a vida é uma agitação feroz e sem finalidade

Que a vida é traição

E saudava a matéria que passava

Liberta para sempre da alma extinta.

Assinale a alternativa que apresenta uma afirmação INCORRETA:

a) A atitude do homem atento ao enterro reduplica a opinião do eu-lírico sobre a relação vida/morte.

b) O poema expressa uma visão materialista e irônica do mundo ao inverter a relação tradicional entre a alma e o corpo.

c) Um dos componentes estruturantes da lírica de Bandeira, presente no poema, é a percepção linear dos elementos do mundo.

d) Um traço fundamental da lírica de Bandeira, presente no poema, é a abordagem de temas universais a partir de elementos do quotidiano.

Questão 2- (ENEM) 

Estrada

Esta estrada onde moro, entre duas voltas do caminho,

Interessa mais que uma avenida urbana.

Nas cidades todas as pessoas se parecem.

Todo mundo é igual. Todo mundo é toda a gente.

Aqui, não: sente-se bem que cada um traz a sua alma.

Cada criatura é única.

Até os cães.

Estes cães da roça parecem homens de negócios:

Andam sempre preocupados.

E quanta gente vem e vai!

E tudo tem aquele caráter impressivo que faz meditar:

Enterro a pé ou a carrocinha de leite puxada por um bodezinho manhoso.

Nem falta o murmúrio da água, para sugerir, pela voz dos símbolos,

Que a vida passa! que a vida passa!

E que a mocidade vai acabar.

BANDEIRA, M. O ritmo dissoluto. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967.

A lírica de Manuel Bandeira é pautada na apreensão de significados profundos a partir de elementos do cotidiano. No poema Estrada, o lirismo presente no contraste entre campo e cidade aponta para

a) o desejo do eu lírico de resgatar a movimentação dos centros urbanos, o que revela sua nostalgia com relação à cidade.

b) a percepção do caráter efêmero da vida, possibilitada pela observação da aparente inércia da vida rural.

c) a opção do eu lírico pelo espaço bucólico como possibilidade de meditação sobre a sua juventude.

d)  a visão negativa da passagem do tempo, visto que esta gera insegurança.

e) a profunda sensação de medo gerada pela reflexão acerca da morte.

Questão 3- (FUVEST) Leia o poema de Manuel Bandeira para responder ao teste:

Não sei dançar

Uns tomam éter, outros cocaína.

Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria.

Tenho todos os motivos menos um de ser triste.

Mas o cálculo das probabilidades é uma pilhéria…

Sim, já perdi pai, mãe, irmãos.

Perdi a saúde também.

É por isso que sinto como ninguém o ritmo do jazz-band.

Uns tomam éter, outros cocaína.

Eu tomo alegria!

Eis aí por que vim assistir a este baile de terça-feira gorda.(…)

(Libertinagem, Manuel Bandeira)

Sobre os versos transcritos, assinale a alternativa incorreta:

a) A melancolia do eu lírico é apenas aparente: interiormente ele se identifica com a atmosfera festiva do carnaval, como se percebe no tom exclamativo de “Eu tomo alegria!”.

b) A perda dos familiares e da saúde são aspectos autobiográficos do autor presentes no texto. 

c) A alegria do carnaval é meio de evasão para eu lírico, que procura alienar-se de seu sofrimento.

d) O último verso transcrito associa-se ao título do poema, pois o eu lírico não participa, de fato, do baile de carnaval.

e) O eu lírico revela, em tom bem-humorado e descompromissado, ser uma pessoa exageradamente sensível. 

Questão 4- (FUVEST) Em Libertinagem, Manuel Bandeira manifesta profunda simpatia pelos marginalizados, que, por razões históricas ou condição econômica, representam os desvalidos. Assinale a alternativa em que o poema indicado não serve de exemplo para essa afirmação:

a) “ Irene no céu”.

b) “Camelôs”.

c) “ Mangue”.

d) “Profundamente”.

e) “Poema retirado de uma notícia de Jornal”.

Questão 5- (ENEM 2000) “Poética”, de Manuel Bandeira, é quase um manifesto do movimento modernista brasileiro de 1922. No poema, o autor elabora críticas e propostas que representam o pensamento estético predominante na época.

Poética

Estou farto do lirismo comedido

Do lirismo bem comportado

Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente

protocolo e manifestações de apreço ao Sr. Diretor.

Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário

o cunho vernáculo de um vocábulo.

Abaixo os puristas

[…]

Quero antes o lirismo dos loucos

O lirismo dos bêbedos

O lirismo difícil e pungente dos bêbedos

O lirismo dos clowns de Shakespeare

– Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

(BANDEIRA, Manuel. Poesia completa e prosa. Rio de janeiro: José Aguilar, 1974)

Com base na leitura do poema, podemos afirmar corretamente que o poeta:

a) critica o lirismo louco do movimento modernista. 

b) critica todo e qualquer lirismo na literatura.

c) propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico.

d) propõe o retorno do movimento romântico.

e) propõe a criação de um novo lirismo.

  • Nossa! Você já fez metade das questões sobre Manuel Bandeira. Vamos lá!

Questão 6- (FUVEST

Macumba de Pai Zusé

Na macumba do Encantado

Nego véio pai de santo fez mandinga

No palacete de Botafogo

Sangue de branca virou água

Foram vê estava morta! (Libertinagem, Manuel Bandeira)

É correto afirmar que, neste poema de Manuel Bandeira,

a) emprega-se a modalidade do poema-piada, típica da década de 20, com o fim de satirizar os costumes populares.

b) usam-se os recursos sonoros (ritmo e metro regulares, redondilha menor) para representar a cultura branca, e os recursos visuais (imagens, cores), para caracterizar a religião afro-brasileira.

c) mesclam-se duas variedades linguísticas: uma que se aproxima da língua escrita culta e outra que mimetiza uma modalidade da língua oral, popular.

d) manifesta-se a contradição entre dois tipos de práticas religiosas, representadas pelas oposições negro x branco, macumba x pai de santo, nego véio x Encantado.

e) expressa-se a tendência modernista de encarar a cultura popular como manifestação do atraso nacional, a ser superado pela modernização.

Questão 7- (PUC-SP

Pensão Familiar

Jardim da pensãozinha burguesa.

Gatos espapaçados ao sol.

A tiririca sitia os canteiros chatos.

O sol acaba de crestar as boninas que murcharam.

Os girassóis

amarelo!

resistem.

E as dálias, rechonchudas, plebeias, dominicais.

Um gatinho faz pipi.

Com gestos de garçom de restaurante — Palace

Encobre cuidadosamente a mijadinha.

Sai vibrando com elegância a patinha direita:

— É a única criatura fina na pensãozinha burguesa.

O poema acima é de Manuel Bandeira e integra a obra Libertinagem. Do ponto de vista de sua construção, NÃO se pode afirmar que:

a) é enfaticamente descritivo na primeira parte e caracteriza o cenário natural, valendo-se, principalmente de frases nominais.

b) sugere atmosfera afetuosa e terna caracterizada pelo uso expressivo do diminutivo.

c) opera o procedimento narrativo de tal forma a conciliá-lo com o descritivo, sem, no entanto, reduzi-lo a um mero pano de fundo.

d) carece de exploração visual e perde poeticidade em deslizes semânticos e sintáticos.

e) ilumina e colore o poema e a página, que se contaminam pela força invasora do amarelo.

Questão 8- (FUVEST)

ORAÇÃO A TERESINHA DO MENINO JESUS

Perdi o jeito de sofrer.

Ora essa.

Não sinto mais aquele gosto cabotino da tristeza.

Quero alegria! Me dá alegria,

Santa Teresa!

Santa Teresa não, Teresinha…

Teresinha… Teresinha…

Teresinha do Menino Jesus.

(…)

(Manuel Bandeira, Libertinagem)

Sobre este trecho do poema, só NÃO é correto afirmar o que está em:

a) Ao preferir Teresinha a Santa Teresa, o eu-lírico manifesta um desejo de maior intimidade com o sagrado, traduzida, por exemplo, no diminutivo e na omissão da palavra “Santa”.

b) O feitio de oração que caracteriza estes versos não é caso único em Libertinagem nem é raro na poesia de Bandeira.

c) Embora com feitio de oração, estes versos utilizam principalmente a variedade coloquial da linguagem.

d) Em “do Menino Jesus”, qualificativo de Teresinha, pode-se reconhecer um eco da predileção de Bandeira pelo tema da infância, recorrente em Libertinagem e no conjunto de sua poesia.

e) Apesar de seu feitio de oração, estes versos manifestam intenção desrespeitosa e mesmo sacrílega em relação à religião estabelecida.

  • Ufa! Agora só faltam mais dois exercícios sobre Manuel Bandeira!

Questão 9- (FUVEST)

Teresa

A primeira vez que vi Teresa

Achei que ela tinha pernas estúpidas

Achei também que a cara parecia uma perna

Quando vi Teresa de novo

Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo

(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que

[o resto do corpo nascesse) 

Da terceira vez não vi mais nada

Os céus se misturaram com a terra

E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

(Libertinagem, Manuel Bandeira)

Em relação às imagens que compõem a figura feminina, no texto de Bandeira, só não se pode afirmar que:

a) acentuam realisticamente os aspectos grotescos da mulher.

b) destacam o estranhamento sentido pelo eu-lírico diante de uma visão surpreendente.

c) constituem deliberado deboche das imagens consagradas pela literatura tradicional.

d) dessacralizam o ideal de amor arrebatador.

e) podem ser atribuídas à postura iconoclasta dos modernistas de 22.

Questão 10- (UFMG) Leia o poema a seguir, da autoria de Manuel Bandeira:

Trem de Ferro

Café com pão

Café com pão

Café com pão

Virge Maria que foi isso maquinista?

Agora sim

Café com pão

Agora sim

Voa, fumaça

Corre, cerca

Ai seu foguista

Bota fogo

Na fornalha

Que eu preciso

Muita força

Muita força

Muita força

(trem de ferro, trem de ferro)

Oô…

Foge, bicho

Foge, povo

Passa ponte

Passa poste

Passa pasto

Passa boi

Passa boiada

Passa galho

Da ingazeira

Debruçada

No riacho

Que vontade

De cantar!

Oô…

(café com pão é muito bom)

Quando me prendero

No canaviá

Cada pé de cana

Era um oficiá

Oô…

Menina bonita

Do vestido verde

Me dá tua boca

Pra matar minha sede

Oô…

Vou mimbora vou mimbora

Não gosto daqui

Nasci no sertão

Sou de Ouricuri

Oô…

[…]

Manuel Bandeira

Sobre o poema, ASSINALE a única alternativa INCORRETA:

a) a composição baseia-se em brincadeira popular, procedimento frequente na poesia de Manuel Bandeira.

b) O poema é construído a partir do ponto de vista de um observador que vê passar um trem de ferro.

c) O ritmo primordialmente binário do poema e a ocorrência de repetições recriam o funcionamento da locomotiva.

d) O uso intencional dos aspectos fônicos confere expressividade ao poema e reforça o sentido de seu título.

  • Parabéns, você fez todos os exercícios de Manuel Bandeira. Confira agora o Gabarito:

Gabarito das questões sobre Manuel Bandeira

Exercício resolvido da questão 1 –

Alternativa correta: d) Um traço fundamental da lírica de Bandeira, presente no poema, é a abordagem de temas universais a partir de elementos do quotidiano.

Exercício resolvido da questão 2 –

Alternativa correta: b) a percepção do caráter efêmero da vida, possibilitada pela observação da aparente inércia da vida rural.

Exercício resolvido da questão 3 –

Alternativa correta: a) A melancolia do eu lírico é apenas aparente: interiormente ele se identifica com a atmosfera festiva do carnaval, como se percebe no tom exclamativo de “Eu tomo alegria!”.

Exercício resolvido da questão 4 –

Alternativa correta: d) “Profundamente”

Exercício resolvido da questão 5 –

Alternativa correta: e) propõe a criação de um novo lirismo.

Exercício resolvido da questão 6 –

Alternativa correta: c) mesclam-se duas variedades linguísticas: uma que se aproxima da língua escrita culta e outra que mimetiza uma modalidade da língua oral, popular.

Exercício resolvido da questão 7 –

Alternativa correta: d) carece de exploração visual e perde poeticidade em deslizes semânticos e sintáticos.

 Exercício resolvido da questão 8 – 

Alternativa correta: e) Apesar de seu feitio de oração, estes versos manifestam intenção desrespeitosa e mesmo sacrílega em relação à religião estabelecida.

Exercício resolvido da questão 9 –

Alternativa correta: a) acentuam realisticamente os aspectos grotescos da mulher.

Exercício resolvido da questão 10 –

Alternativa correta: a) a composição baseia-se em brincadeira popular, procedimento frequente na poesia de Manuel Bandeira.

Gostou dos nossos exercícios sobre Manuel Bandeira? Compartilhe com os seus amigos e comente abaixo sobre as áreas que você deseja mais explicações.

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador