ExercíciosLiteratura

As 19 Melhores Questões do Livro Quincas Borba com Gabarito

Questões sobre o Livro Quincas BorbaQuestões sobre o Livro Quincas Borba

Quincas Borba é uma obra de Machado que se relaciona com Memórias Póstumas de Brás Cubas. Ela acompanha Pedro Rubião, sucessor de um falecido escritor humanista, que busca concluir a filosofia apresentada. Leia o resumo e faça as questões do livro Quincas Borba para saber como ele fez isso.

Quer seguir diretamente para algum tema específico? Clique em qualquer um dos itens abaixo:

Quando você terminar as Questões do Livro Quincas Borba, coloque em prática todo seu conhecimento com O Melhor Simulado Enem do Brasil. 

Informações gerais sobre o Livro Quincas Borba

Título: Quincas Borba

Autor: Machado de Assis

Ano de publicação: 1891 (de 1886-1991, pois foram folhetins)

Nacionalidade: Brasileiro

Foco narrativo: 3° pessoa (narrador onisciente e não participante)

PDF: Quincas Borba

Movimento literário: Realismo

Gênero Literário: Inicialmente um conjunto de folhetins, hoje unificados em um romance

Agora que viu a ficha técnica da obra, vamos aos personagens para que você se saia bem nas questões sobre o livro Quincas Borba.

Quais são os principais personagens de Quincas Borba?

Conhecer os personagens é importante para fazer as questões sobre o livro Quincas Borba.

Personagens do livro Quincas Borba
Personagens do livro Quincas Borba
  • Quincas Borba: Um intelectual de Barbacena (MG). Estava no Rio propagando sua filosofia, o Humanitismo, retratado no livro Memórias Póstumas de Brás Cubas. Ao morrer, não tinha herdeiros, apenas seu amigo Rubião e seu cão.
  • Quincas Borba (cachorro): O cão de Borbas recebeu o mesmo nome e, assim como Rubião, era o fiel escudeiro de Borbas. Era um cachorro de estatura média, pêlos cor de chumbo e malhado com preto, muito precioso para Quincas.
  • Pedro Rubião: Era professor e tornou-se enfermeiro de Quincas Borba, além de discípulo. Era o mais ingênuo de todos que haviam ao seu redor e, quando Borbas morreu, a herança inteira e o cachorro ficaram para ele.
  • Sofia Palha: Mulher de Cristiano Palha, era também a musa de Rubião. É descrita como uma jovem e belíssima senhora, que encantava a todos os homens.
  • Cristiano Palha: Também chamado de “capitalista” por se envolver em práticas liberais de mercado. Interesseiro e oportunista. Fazia de tudo para formar fortuna e via em Rubião uma oportunidade para enriquecer, aproveitando-se de sua inocência.

Quincas Borba recebeu uma adaptação para os cinemas. Veja o trailer da produção no vídeo abaixo e depois comece a pensar nas questões sobre livro Quincas Borba: 

Como é a história de Quincas Borba?

Leia o resumo e faça questões do livro Quincas Borba.

Início

Nosso protagonista é Pedro Rubião, um ex-professor primário e enfermeiro de Quincas. Devido à proximidade, Rubião se tornou discípulo de Borbas no Humanismo, contudo, seu mestre faleceu de loucura na casa de Cubas, no Rio de Janeiro.

Sim, esse Cubas é o Brás Cubas do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, também de Machado de Assis. A cena da morte de Quincas Borba é narrada nesta outra obra. Após a morte de seu professor, Rubião herdou toda a sua fortuna.

Após ficar rico, Rubião muda-se para o Rio de Janeiro, onde conhece o casal Palha, que causa uma ótima primeira impressão. Eles se comprometem a levá-lo à corte e ajudá-lo para ninguém enganá-lo, afinal era muito inocente.      

Meio 

O que Rubião não sabia era que o casal estava se aproveitando para administrar sua fortuna. Rubião chega a se interessar por Sofia Palha e ela e seu marido usam isso para explorá-lo. 

Acreditando que era correspondido, Rubião se declarou para a dama em baile, mas ela ficou perturbada com a situação e foi reclamar com seu marido. Ele a aconselhou a seguir com farsa, porém, Rubião se arrependeu e decidiu sair do Rio. 

Contudo, Cristiano Palha e Camanho (um político que também se aproveitava de Rubião) o convenceram a ficar. Rubião e Cristiano viraram sócios em uma importadora

Com o tempo, Cristiano assumiu controle total dos bens, mas Rubião percebeu que outro homem também estava interessado em Sofia.

O nome do homem era Carlos e Rubião ficou possesso de ciúmes com a situação. Ele chegou a chamar Sofia de adúltera, mas ela contornou a situação casando Carlos e sua prima.    

Fim

Devido à confusão, Cristiano decide sair da empresa para afastar Sofia de Rubião, afinal ele já tinha pego o que queria. Ainda assim, Rubião insiste em ver Sofia. Ele chega a invadir uma carruagem em que ela estava embarcando e se declara novamente para a dama

A notícia se espalhou e Sofia entendeu que Rubião estava louco. Quanto mais pobre ficava, mais sua obsessão amorosa crescia. Chegaram a pedir que o casal Palha cuidasse do pobre homem. Eles o internaram em um hospício

Rubião fugiu com seu cão e voltou a Barbacena. Eles dormiram na rua e no dia seguinte Rubião morre na miséria e loucura, seguindo os passos de seu mestre

O que Quincas Borba quer dizer?

Está na hora de entender de verdade a obra para fazer bonito nas questões sobre o livro Quincas Borba.

Contexto 

O livro se passa na segunda metade do século XIX, quando acreditava-se muito mais na ciência e desenvolvimento tecnológico que nos sentimentos ou crenças sociais. 

Assim, surge o Realismo na literatura que foi representado por Machado de Assis no Brasil. Contudo, Machado questionava até o próprio realismo e ele mostra isso através dos fundamentos do humanismo de Quincas.

Estrutura

A narração de Quincas se dá em 3ª pessoa, ou seja, não é feita por nenhum personagem da história, mas por uma entidade onisciente, conhecida simplesmente como “narrador”. 

Nesse caso, Machado se coloca como narrador da própria história. Entretanto, em alguns momentos ele quebra a objetividade da narração e rompe um pouco com a formalidade característica de suas obras. 

Filosofia

O Humanismo de Quincas Borba acreditava que a vida era um campo de batalha em que os fortes sobrevivem e os fracos são aniquilados. Em Memórias Póstumas de Brás Cubas ele exemplifica isso com a frase “ao vencedor, as batatas”

Análise final

A obra Quincas Borba é a concretização do Humanismo. Ela mostra um homem que nasceu para ser fraco (Rubião) definhar até o fim para um casal de pessoas fortes (Casal Palha). 

O casal e até seu amigo político são conceitos humanizados da falta de escrúpulos e uma crítica ao Romantismo por acreditar totalmente nas virtudes humanas.

A sociedade que Machado cria é improdutiva, parasitária, dissimulada e falsa. As pessoas que se aproveitam das oportunidades para sobreviver nessa sociedade são os humanistas. 

Em contrapartida, as pessoas inocentes fadadas ao fracasso como Rubião, são anti-humanistas. 

A loucura que mata tanto Quincas quanto seu discípulo é apenas a confirmação do destino de quem acreditou nas aparências.  

Agora que leu esta análise, está pronto para as questões do livro Quincas Borba.

Questões do Livro Quincas Borba com Gabarito

Esperamos que, com esse resumo, tudo tenha ficado mais claro para você. 

Obrigado por ter lido até aqui!

Baixe gratuitamente o Plano de Estudos do Beduka e tenha uma preparação perfeita para o ENEM.

Questão 1- (UFAC) Sobre Quincas Borba, de Machado de Assis, pode-se dizer que:

a) o romance é narrado no passado, revelando recordações da infância do autor.

b) a filosofia do “Humanitas” preconiza a paz entre os povos.

c) Sofia é uma personagem feminina caracterizadamente machadiana: fria e calculista.

d) Rubião é uma personagem livre de ambição de dois indivíduos interesseiros.

e) o romance tem em Capitu sua principal personagem.

(UEL/PR) As questões de 2 a 4 referem-se ao primeiro capítulo de Quincas Borba (1892), de Machado de Assis (1839-1908).

“Rubião fitava a enseada, – eram oito horas da manhã. Quem o visse, com os polegares metidos no cordão do chambre, à janela de uma grande casa de Botafogo, cuidaria que ele admirava aquele pedaço de água quieta; mas, em verdade, vos digo que pensava em outra coisa. Cotejava o passado com o presente. Que era, há um ano? Professor. Que é agora? Capitalista. Olha para si, para as chinelas (umas chinelas de Túnis, que lhe deu recente amigo, Cristiano Palha), para a casa, para o jardim, para a enseada, para os morros e para o céu; e tudo, desde as chinelas até o céu, tudo entra na mesma sensação de propriedade.

— Vejam como Deus escreve direito por linhas tortas, pensa ele. Se mana Piedade tem casado com Quincas Borba, apenas me daria uma esperança colateral. Não casou; ambos morreram, e aqui está tudo comigo; de modo que o que parecia uma desgraça… “

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Jackson, 1959. p. 7.

Questão 2- (UEL/PR) Com base no primeiro parágrafo do texto, considere as afirmativas a seguir.

I. O narrador, no presente, dirige suas palavras ao leitor de seu texto, conforme se pode deduzir do emprego de “vos digo”.

II. As palavras do narrador dizem respeito a um momento de meditação de Rubião sobre sua mudança de classe social, momento este do qual o narrador onisciente tem pleno conhecimento.

III. O emprego de “olha” e “entra” no tempo presente reflete o apego que o protagonista tem à sua nova condição econômica, tentando esquecer o passado.

IV.“Visse” e “cuidaria” aí estão para registrar uma possibilidade de interpretação que, na verdade, condiz com o que realmente é relatado pelo narrador.

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I e II.                        

b) I e IV.                

c) III e IV.                  

d) I, II e III.             

e) II, III e IV.

Questão 3- (UEL/PR) Há, na passagem citada, um narrador a situar a personagem, Rubião, no espaço e no tempo. Há, concomitantemente, o discurso direto através do qual a própria personagem se apresenta. Neste jogo entre o que o narrador diz de Rubião e o registro do que o próprio Rubião pensa, é correto afirmar que a personagem é:

a) Um novo rico a oscilar entre os valores determinados pelo capital e os valores determinados pela família.

b) Um novo rico a encarar a si mesmo, ao mundo que o rodeia e à própria família pela ótica do capital.

c) Um ex-professor que, embora rico, continua encarando a si mesmo, aos familiares e ao universo circundante pela ótica da humildade.

d) Um ex-professor deslumbrado com sua nova situação de capitalista a encarar a família pelos valores religiosos.

e) Um capitalista esquecido de sua antiga situação de professor e, desta forma, renegando seu próprio passado.

Questão 4- (UEL/PR) Considerando os trechos transcritos nas alternativas a seguir, assinale a que apresenta maior distanciamento temporal do presente no qual o narrador nos relata que Rubião está à janela de sua casa em Botafogo.

a) “Cotejava o passado com o presente.”

b) “Rubião fitava a enseada, – eram oito horas da manhã.”

c) “(umas chinelas de Túnis, que lhe deu recente amigo, Cristiano Palha)”.

d) “mas, em verdade, vos digo que pensava em outra coisa.”

e) “Olha para si, para as chinelas (…) para a casa, para o jardim, para a enseada, para os morros e para o céu”.

(UEL/PR) As questões de 5 a 7 referem-se ao texto III, extraído do sexto capítulo de Quincas Borba (1892), de Machado de Assis (1839-1908).

“Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.”

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997. p. 648-649.

Questão 5- (UEL/PR) Nessa passagem, quem fala é Quincas Borba, o filósofo. Suas palavras são dirigidas a Rubião, ex-professor, futuro capitalista, mas, no momento, apenas enfermeiro de Quincas Borba. É correto afirmar que a maneira como constrói esse discurso revela preocupação com:

a) A clareza e a objetividade, uma vez que visa à compreensão de Rubião da filosofia por ele criada, o Humanitismo.

b) A emotividade de suas palavras, dado objetivar despertar em Rubião piedade pelos vencidos e ódio pelos vencedores.

c) A informação a ser transmitida, pois Rubião, sendo seu herdeiro universal, deverá aperfeiçoar o Humanitismo.

d) O envolvimento de Rubião com a filosofia por ele criada, o Humanitismo, dada a urgência em arregimentar novos adeptos.

e) O estabelecimento de contato com Rubião, uma vez que o mesmo possui carisma para perpetuar as novas ideias.

Questão 6- (UEL/PR) Com base nas palavras de Quincas Borba, considere as afirmativas a seguir.

I. As duas tribos existem separadamente uma da outra.

II. A necessidade de alimentação determina os termos do relacionamento entre as duas tribos.

III. O relacionamento entre as duas tribos pode ser amistoso (“dividem entre si as batatas”) ou competitivo (“uma das tribos extermina a outra”).

IV. O campo de batatas determina a vitória ou a derrota de cada uma das tribos.

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I e IV.              

b) II e III.                   

c) III e IV.           

d) I, II e III.          

e) I, II e IV.

Questão 7- (UEL/PR) O Humanitismo, filosofia criada por Quincas Borba, é revelador:

a) Do posicionamento crítico de Machado de Assis aos muitos “ismos” surgidos no século XIX: darwinismo, positivismo, evolucionismo.

b) Da admiração de Machado de Assis pelos muitos “ismos” surgidos no início do século XX: futurismo, impressionismo, dadaísmo.

c) Da capacidade de Machado de Assis em antever os muitos “ismos” que surgiriam no século XIX: darwinismo, positivismo, evolucionismo.

d) Da preocupação didática de Machado de Assis com a transmissão de conhecimentos filosóficos consolidados na época.

e) Da competência de Machado de Assis em antecipar a estética surrealista surgida no século XX.

Questão 8- (UFT) “Este Quincas Borba, se acaso me fizeste o favor de ler as Memórias póstumas de Brás Cubas, é aquele mesmo náufrago da existência, que ali aparece, mendigo, herdeiro inopinado, e inventor de uma filosofia. Aqui o tens agora em Barbacena.”

MACHADO DE ASSIS, J. M. “Quincas Borba”. In: Obras completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2004. v. I, p. 644.

A partir da leitura desse trecho, é CORRETO afirmar que a obra Quincas Borba.

a) aborda a filosofia de Quincas Borba como algo inventado por Rubião.

b) dissimula o personagem principal quando lhe dá o nome de um cão.

c) se constitui em um romance escrito por um narrador que já tinha morrido.

d) utiliza a intertextualidade, pois remete a outra narrativa do mesmo autor.

Questão 9- (UFT) “Rubião conheceu-o também; e respondeu-lhe que não era nada. Capturara o rei da Prússia, não sabendo ainda se o mandaria fuzilar ou não; era certo, porém, que exigiria uma indenização pecuniária enorme, – cinco bilhões de francos. – Ao vencedor, as batatas! concluiu rindo.”

MACHADO DE ASSIS, J. M. “Quincas Borba”. In: Obras completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2004. v. I, p. 806.

Com base na leitura de Quincas Borba, é CORRETO afirmar que, nesse trecho, o Autor.

a) Apresenta o personagem em seus últimos momentos, num estágio avançado. de delírio.

b) Indica que Rubião, personagem marcado pela derrota, ao final alcançou seus. objetivos.

c) Mostra como a vitória de Rubião sobre o rei é uma metáfora de seu sucesso como escritor.

d) Revela que o vencedor se auto ironiza, pois aceita a indenização em francos ou batatas.

Questão 10- (UFT– adaptada) Com base na leitura de Quincas Borba, de Machado de Assis, julgue os itens I e II.

I. O romance apresenta uma característica bastante marcada do Realismo, qual seja, a análise do comportamento humano condicionado pela sociedade.

II. As teorias evolucionistas e positivistas constituem-se em correntes do pensamento ironizadas ao longo da obra.

a) Ambas estão corretas

b) I está correta e II está errada

c) I está errada e II está correta

d) Ambas estão erradas

Muito bem! Você chegou à metade das questões do Livro Quincas Borba. Continue fazendo o restante.

Questão 11- (PUC/RS) No início de Quincas Borba, a personagem Rubião avalia sua trajetória, enquanto olha para o mar, para os morros, para o céu, da janela de sua casa, em Botafogo. Passara de __________ a capitalista ao __________. Mas, no final do romance, o personagem acaba morrendo na miséria.

As lacunas podem ser correta e respectivamente preenchidas por:

a) jornalista receber um prêmio                                

b) enfermeiro se tornar comerciante                       

c) enfermeiro se casar com Sofia

d) professor receber uma herança

e) filósofo investir em terras

Questão 12- (CEFET-PR) A filosofia de Quincas Borba é explicada nos primeiros capítulos do romance. Posteriormente, em alguns momentos de delírio, Rubião recorda-se dos ensinamentos do mestre e os sintetiza na frase: “Ao vencedor, as batatas”. A versão completa da máxima, enunciada por Quincas a Rubião no cap. 6, é esta: “Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas”.

A filosofia inventada por Quincas Borba pode ser comprovada com os seguintes acontecimentos do romance, EXCETO:

a) a organização da comissão das Alagoas.

b) a morte da avó de Quincas, atropelada por carro puxado a cavalos.

c) o tipo de relação estabelecida entre Camacho e Rubião.

d) o empenho de D. Fernanda em casar Maria Benedita.

e) o gesto de Rubião de salvar de um atropelamento o menino Deolindo

Questão 13- (FATEC) Leia o texto para responder à próxima questão.

Capítulo CC

Poucos dias depois, [Rubião] morreu… Não morreu súbdito nem vencido. Antes de principiar a agonia, que foi curta, pôs a coroa na cabeça, — uma coroa que não era, ao menos, um chapéu velho ou uma bacia, onde os espectadores palpassem a ilusão. Não, senhor; ele pegou em nada, levantou nada e cingiu nada; só ele via a insígnia imperial, pesada de ouro, rútila de brilhantes e outras pedras preciosas. O esforço que fizera para erguer meio corpo não durou muito; o corpo caiu outra vez; o rosto conservou porventura uma expressão gloriosa.

— Guardem a minha coroa, murmurou. Ao vencedor…

A cara ficou séria porque a morte é séria; dous minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação.

Capitulo CCI

Queria dizer aqui o fim do Quincas Borba, que adoeceu também, ganiu infinitamente, fugiu desvairado em busca do dono, e amanheceu morto na rua, três dias depois. Mas, vendo a morte do cão narrada em capítulo especial, é provável que me perguntes se ele, se o seu defunto homônimo é que dá titulo ao livro, e por que antes um que outro, — questão prenhe de questões, que nos levariam longe… Eia! chora os dous recentes mortos, se tens lágrimas. Se só tens riso, ri-te! É a mesma cousa. O Cruzeiro que a linda Sofia não quis fitar, como lhe pedia Rubião, está assaz alto para não discernir os risos e as lágrimas dos homens.

(Machado de Assis. Quincas Borba.)

Depreende-se do texto que:

a) ao narrar a agonia de Rubião, o narrador deixa implícito que aquele merecia as honrarias de um rei.

b) a ambiguidade no título do romance, Quincas Borba, justifica-se pelo fato de o autor não conseguir definir-se por homenagear o filósofo ou seu cão.

c) a afirmação que encerra o capítulo CC revela um traço machadiano característico: a ironia.

d) a declaração de que Sofia não quis fitar o Cruzeiro revela a indiferença como matriz do estilo do autor.

e) a linguagem empregada para descrever a morte de Quincas Borba revela tendência do narrador a dar mais importância ao cão do que a Rubião.

Questão 14- (ITA) Em 1891, Machado de Assis publicou o romance Quincas Borba, no qual um dos temas centrais do Realismo, o triângulo amoroso (formado, a princípio, pelos personagens Palha-Sofia-Rubião), cede lugar a uma equação dramática mais complexa e com diversos desdobramentos. Isso se explica porque:

a) o que levava Sofia a trair Palha era apenas o interesse na fortuna de Rubião, pois ela amava muito o marido.

b) Palha sabia que Sofia era amante de Rubião, mas fingia não saber, pois dependia financeiramente dele.

c) Sofia não era amante de Rubião, como pensava seu marido, mas sim de Carlos Maria, de quem Palha não tinha suspeita alguma.

d) Sofia não era amante de Rubião, mas se interessou por Carlos Maria, casado com uma prima de Sofia, e este por Sofia.

e) Sofia não se envolvia efetivamente com Rubião, pois se sentia atraída por Carlos Maria, que a seduziu e depois a rejeitou.

Questão 15- (UEL) A próxima questão refere-se ao texto a seguir, extraído do sexto capítulo de Quincas Borba (1892), de Machado de Assis (1839-1908).

“Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que assim adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma das tribos extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real de que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.” 

(ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. )

 Ao definir a paz como “destruição” e a guerra como “conservação”, o autor do texto:

a) Serve-se de um recurso argumentativo incompatível com a realidade a que se refere.

b) Critica aqueles que sentem repugnância ou pedem misericórdia para os povos derrotados na guerra.

c) Baseia-se em uma forma de raciocínio relacionada a uma situação hipotética específica.

d) Procura comprovar que, embora pareça ser uma solução, a guerra traz grandes prejuízos à humanidade.

e) Refere-se à guerra para destacar as diferenças entre o funcionamento da economia nas sociedades primitiva e moderna.

Questão 16- (UFLA) Com relação à leitura da obra Quincas Borba, de Machado de Assis, no trecho em que o filósofo diz que Humanitas é o princípio, entende-se que: 

a) o homem está fadado a fracassar sempre no fim de sua existência.

b) viver é sobreviver a qualquer custo (Lei do mais forte).

c) deve-se viver sem solidariedade, porque “o homem é o lobo do próprio homem.”

d) os homens podem viver em harmonia, sendo a guerra, portanto, dispensável.

e) o amor do cão pelo seu dono é o único amor desinteressado.

Questão 17- (UFLA) Em relação à frase “ao vencedor, as batatas”, do livro Quincas Borba, de Machado de Assis, vencedor e batatas são, respectivamente:

a) Rubião / rei da Prússia                                                           

b) Exploradores (Cristiano e Sofia) / bens materiais   

c) Amigos / os empregados da casa

d) Aparência de riqueza / Rubião

e) Herança de Quincas Borba / o cão

Questão 18- (UFMG) A próxima questão refere-se ao primeiro capítulo de Quincas Borba (1892), de Machado de Assis (1839-1908).

Rubião fitava a enseada, – eram oito horas da manhã. Quem o visse, com os polegares metidos no cordão do chambre, à janela de uma grande casa de Botafogo, cuidaria que ele admirava aquele pedaço de água quieta; mas, em verdade, vos digo que pensava em outra coisa. Cotejava o passado com o presente. Que era, há um ano? Professor. Que é agora? Capitalista. Olha para si, para as chinelas (umas chinelas de Túnis, que lhe deu recente amigo, Cristiano Palha), para a casa, para o jardim, para a enseada, para os morros e para o céu; e tudo, desde as chinelas até o céu, tudo entra na mesma sensação de propriedade.

— Vejam como Deus escreve direito por linhas tortas, pensa ele. Se mana Piedade tem casado com Quincas Borba, apenas me daria uma esperança colateral. Não casou; ambos morreram, e aqui está tudo comigo; de modo que o que parecia uma desgraça…

(ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Jackson, 1959. p. 7.)

Com base no primeiro parágrafo do texto, considere as afirmativas a seguir.

I. O narrador, no presente, dirige suas palavras ao leitor de seu texto, conforme se pode deduzir do emprego de “vos digo”.

II. As palavras do narrador dizem respeito a um momento de meditação de Rubião sobre sua mudança de classe social, momento este do qual o narrador onisciente tem pleno conhecimento.

III. O emprego de “olha” e “entra” no tempo presente reflete o apego que o protagonista tem à sua nova condição econômica, tentando esquecer o passado.

IV. “Visse” e “cuidaria” aí estão para registrar uma possibilidade de interpretação que, na verdade, condiz com o que realmente é relatado pelo narrador.

Estão corretas apenas as afirmativas:

a) I e II.                       

b) I e IV.                        

c) III e IV.               

d) I, II e III.         

e) II, III e IV.

Questão 19- (UFMG) A próxima questão refere-se ao primeiro capítulo de Quincas Borba (1892), de Machado de Assis (1839-1908).

Rubião fitava a enseada, – eram oito horas da manhã. Quem o visse, com os polegares metidos no cordão do chambre, à janela de uma grande casa de Botafogo, cuidaria que ele admirava aquele pedaço de água quieta; mas, em verdade, vos digo que pensava em outra coisa. Cotejava o passado com o presente. Que era, há um ano? Professor. Que é agora? Capitalista. Olha para si, para as chinelas (umas chinelas de Túnis, que lhe deu recente amigo, Cristiano Palha), para a casa, para o jardim, para a enseada, para os morros e para o céu; e tudo, desde as chinelas até o céu, tudo entra na mesma sensação de propriedade.

— Vejam como Deus escreve direito por linhas tortas, pensa ele. Se mana Piedade tem casado com Quincas Borba, apenas me daria uma esperança colateral. Não casou; ambos morreram, e aqui está tudo comigo; de modo que o que parecia uma desgraça…

(ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Jackson, 1959. p. 7.)

Há, na passagem citada, um narrador a situar a personagem, Rubião, no espaço e no tempo. Há, concomitantemente, o discurso direto através do qual a própria personagem se apresenta. Neste jogo entre o que o narrador diz de Rubião e o registro do que o próprio Rubião pensa, é correto afirmar que a personagem é:

a) Um novo rico a oscilar entre os valores determinados pelo capital e os valores determinados pela família.

b) Um novo rico a encarar a si mesmo, ao mundo que o rodeia e à própria família pela ótica do capital.

c) Um ex-professor que, embora rico, continua encarando a si mesmo, aos familiares e ao universo circundante pela ótica da humildade.

d) Um ex-professor deslumbrado com sua nova situação de capitalista a encarar a família pelos valores religiosos.

e) Um capitalista esquecido de sua antiga situação de professor e, desta forma, renegando seu próprio passado.

Parabéns, você fez todas as Questões sobre o Livro Quincas Borba. Confira agora o Gabarito:

Gabarito dos Exercícios sobre o Livro Quincas Borba

Exercício resolvido da questão 1 –

Alternativa correta: c) Sofia é uma personagem feminina caracterizadamente machadiana: fria e calculista.

Exercício resolvido da questão 2 –

Alternativa correta: a) I e II.    

Exercício resolvido da questão 3 –

Alternativa correta: b) Um novo rico a encarar a si mesmo, ao mundo que o rodeia e à própria família pela ótica do capital.

Exercício resolvido da questão 4 –

Alternativa correta: c) “(umas chinelas de Túnis, que lhe deu recente amigo, Cristiano Palha)”.

Exercício resolvido da questão 5 –

Alternativa correta: a) A clareza e a objetividade, uma vez que visa à compreensão de Rubião da filosofia por ele criada, o Humanitismo.

Exercício resolvido da questão 6 –

Alternativa correta: e) I, II e IV.

Exercício resolvido da questão 7 –

Alternativa correta: a) Do posicionamento crítico de Machado de Assis aos muitos “ismos” surgidos no século XIX: darwinismo, positivismo, evolucionismo.

Exercício resolvido da questão 8 –

Alternativa correta: d) utiliza a intertextualidade, pois remete a outra narrativa do mesmo autor.

Exercício resolvido da questão 9 –

Alternativa correta: a) Apresenta o personagem em seus últimos momentos, num estágio avançado. de delírio.

Exercício resolvido da questão 10 –

Alternativa correta: a) Ambas estão corretas

Exercício resolvido da questão 11 –

Alternativa correta: d) professor receber uma herança

Exercício resolvido da questão 12 –

Alternativa correta: d) o empenho de D. Fernanda em casar Maria Benedita.

Exercício resolvido da questão 13 –

Alternativa correta: c) a afirmação que encerra o capítulo CC revela um traço machadiano característico: a ironia.

Exercício resolvido da questão 14 –

Alternativa correta: d) Sofia não era amante de Rubião, mas se interessou por Carlos Maria, casado com uma prima de Sofia, e este por Sofia.

Exercício resolvido da questão 15 –

Alternativa correta: c) Baseia-se em uma forma de raciocínio relacionada a uma situação hipotética específica.

Exercício resolvido da questão 16 –

Alternativa correta: b) viver é sobreviver a qualquer custo (Lei do mais forte).

Exercício resolvido da questão 17 –

Alternativa correta: b) Exploradores (Cristiano e Sofia) / bens materiais   

Exercício resolvido da questão 18 –

Alternativa correta: a) I e II.   

Exercício resolvido da questão 19 –

Alternativa correta: b) Um novo rico a encarar a si mesmo, ao mundo que o rodeia e à própria família pela ótica do capital.

Estude para o Enem com o Simulado Beduka. É gratuito!

Gostou das nossas questões do livro Quincas Borba? Compartilhe com os seus amigos e comente abaixo sobre as áreas que você deseja mais explicações.

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador