Blog do Beduka | Matérias resumidas, Dicas e Exercícios Enem
FilosofiaMatérias

O que é Empirismo? Veja o conceito, as características e os principais filósofos

O que é EmpirismoO que é Empirismo?

O empirismo é uma teoria do conhecimento. Ou seja, é um dos ramos da epistemologia, uma parte da Filosofia e demais ciências que estudam como as pessoas adquirem os seus conhecimentos. É uma matéria muito presente na prova de Ciências Humanas do Enem. Neste artigo você aprende o que é empirismo e se prepara para o exame!

Se quiser ir diretamente para alguma parte do texto, clique em algum dos tópicos abaixo:

Quando você terminar de ler o artigo sobre o que é empirismo, que tal organizar seus estudos com o plano de estudos Beduka?

O que é epistemologia?

Maria Cristina precisou ir ao médico numa manhã de quarta-feira. Seu marido estava viajando a trabalho e sua filha, Teresa, dormia. Ao abrir a porta de casa, Maria notou o céu nublado. “Vai chover”, ela pensou. Havia roupas no varal.

Sem querer acordar a filha, Maria escreveu um bilhete para ela numa folha em branco do bloco de notas. A mensagem pedia que Teresa tirasse as roupas do varal, se chovesse.

Ao escrever um texto na folha em branco, Maria inscreveu uma informação. Fez conhecida a sua suspeita de que iria chover. Revelou um conhecimento que tinha: tempo nublado é sinônimo de chuva.

“Mas como Maria sabe disso?” É uma pergunta que alguns filósofos se fariam. De onde vem o conhecimento? O que é conhecimento? Qual a diferença entre saber que vai chover e saber fazer um cálculo estequiométrico?

Estas questões são respondidas pela epistemologia, ou teoria do conhecimento. Assim, basicamente, epistemologia é a área das ciências que estuda como o ser humano conhece, a natureza e a validade dos conhecimentos.

Para alguns filósofos, o conhecimento seria adquirido por meio da experiência prática e dos sentidos humanos. Eles ficaram conhecidos como empiristas. Vamos conhecer melhor suas ideias agora!

O que é empirismo?

Vamos retomar o bilhete de Maria Cristina. A folha do bloco de notas estava em branco, mas, após ela escrever o bilhete, passou a conter uma informação. Para os filósofos empiristas, é assim que a inteligência humana funciona.

O empirismo é uma teoria que afirma que todo conhecimento humano é adquirido por meio de uma experiência. A mente humana é como uma folha em branco que acumula informações escritas pelas vivências do indivíduo.

O empirismo remonta à filosofia de Aristóteles. Contudo, a forma como o conhecemos hoje só passou a existir na modernidade, quando a teoria do conhecimento se tornou central para os filósofos.

Essa teoria se diferencia do racionalismo. Para este ramo da epistemologia, os conhecimentos seriam adquiridos apenas pela razão, pois os cinco sentidos não poderiam dar um conhecimento seguro. O empirismo, ao contrário, defende o papel dos sentidos no processo.

No entanto, é preciso salientar que a ênfase na experiência e nos sentidos não leva ao abandono da razão. A crítica dos empiristas era ao fato de os racionalistas verem a razão como único fundamento confiável do conhecimento.

Quais são as características do empirismo?

O termo empirismo vem do grego empeiria, que significa experiência. Isso já revela a principal característica dessa teoria: o conhecimento é adquirido por meio da experiência prática. Quanto mais vastas e ricas forem as experiências, mais profundo e amplo será o conhecimento.

Na Idade Moderna, essa teoria foi defendida principalmente por filósofos britânicos, enquanto o racionalismo fez mais sucesso na parte continental da Europa.

O empirismo retoma a ideia aristotélica de que o conhecimento se dá em vários graus. Isto é, ele passa por estágios, que são: 

  • a sensação, 
  • a percepção, 
  • a imaginação, 
  • a memória e 
  • a experiência.

Isto foi desenvolvido por Thomas Hobbes.

A sensação desperta o conhecimento e fornece dados para a percepção. Esta, por sua vez, ativa a imaginação. Da imaginação se chega à memória e o acúmulo de informações da memória constitui a experiência.

O empirismo tem como base o método indutivo de conhecimento. Segundo este método, a repetição das experiências é o fundamento do conhecimento rigoroso e científico. Isso acontece porque os conhecimentos particulares levam aos conhecimentos gerais.

Alguns médicos gregos da antiguidade, por exemplo, não especulavam sobre a causa das doenças que tratavam. Eles aplicavam remédios a partir da observação de casos semelhantes.

O método empirista é a base do método científico moderno, que se caracteriza por:

  • Observação dos fenômenos;
  • formulação de questões;
  • elaboração de hipóteses;
  • realização de experimentos;
  • exame dos resultados;
  • conclusão.

Os empiristas fizeram trabalhos também na área da Filosofia Política. Os principais dentre eles foram os textos contratualistas de John Locke e Thomas Hobbes. Ambos viam na experiência social acumulada com o tempo o fundamento da organização política.

Contudo, suas conclusões sobre a forma de governo e o papel da sociedade civil eram diferentes. Para Hobbes, os indivíduos procuraram uma autoridade forte e absoluta, chamada por ele de Leviatã, para regular seus conflitos.

A experiência anterior a isto foi o estado de natureza. Nele, as pessoas eram inimigas umas das outras. Assim, elas entenderam ser melhor constituir o governo para garantir a paz interna e externa à sociedade, isto ele chamou contrato social.

Locke, mesmo entendendo como Hobbes o caminho que levou ao governo, discordava dele no caráter absolutista que dava ao estado. Para Locke, o governo era capaz de se corromper e oprimir seus cidadãos, por isso, estes últimos tinham o direito à desobediência civil.

Quais são os fundamentos do empirismo?

Existem alguns pilares que sustentam a vertente empirista. Veja agora quais são os 4 fundamentos do empirismo: 

  • Raciocínio indutivo: é o modo de raciocinar que vai das partes para o geral. Ao observar a repetição dos fatos, é possível dar uma fórmula abstrata sobre eles. Por exemplo, é possível dizer que o ser humano é mortal pela observação da morte entre os homens.
  • Método experimental: sustenta que é pela observação sistemática dos fenômenos que se pode chegar ao conhecimento sobre eles. Não dá espaço para especulações, mas para os experimentos.
  • Evidências empíricas: são os dados captados pelos sentidos.
  • Tábula rasa: é a condição na qual todos nascem, sem conhecimentos inatos. Estes serão adquiridos por meio das vivências realizadas pelas pessoas.

Quais são os principais filósofos empiristas?

Como dito acima, a teoria empirista floresceu principalmente na Grã-Bretanha. Decorrente disso, seus principais nomes são de países que compõem a ilha. Alguns deles são:

  • John Locke: define os indivíduos humanos como tábula rasa, sem conhecimentos inatos, que seriam adquiridos pela experiência.
  • Francis Bacon: teorizou o método científico por meio da indução.
  • Thomas Hobbes: foi quem retomou a teoria aristotélica do conhecimento adquirido pela experiência em graus a partir das sensações e percepções.
  • David Hume: para ele, o conhecimento empírico é conquistado pelo conjunto de experiências práticas realizadas nas vivências.
  • George Berkeley: afirmava que as coisas não poderiam ser conhecidas em si mesmas, mas apenas as qualidades reveladas por meio da observação. Só seria possível conhecer, portanto, o que seria percebido pelos sentidos.

Estude para o Enem com o Simulado Beduka. É gratuito!

Gostou do nosso artigo sobre empirismo? Compartilhe com os seus amigos e comente abaixo sobre as áreas que você deseja mais explicações.

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador