História

O que foi a crise dos mísseis? Entenda como o mundo quase teve uma guerra nuclear

o que foi a crise dos mísseiso que foi a crise dos mísseis

A crise dos mísseis foi um dos eventos de maior tensão da Guerra Fria, no qual a possibilidade de haver uma guerra nuclear ficou eminente e se tornou um dos principais episódios da história da humanidade. Continue lendo para entender o que foi a crise dos mísseis, o contexto em que ela ocorreu.

Vamos te explicar o que foi a crise dos mísseis, se você quiser ir para alguma parte do conteúdo, clique em um dos tópicos abaixo:

Acesse o Simulado Enem do Beduka e teste seus conhecimentos com questões de edições antigas do exame. É gratuito!

O que aconteceu antes da crise dos mísseis de Cuba?

A crise dos mísseis de Cuba aconteceu em 1962, dentro de um contexto histórico muito específico. Para entendermos melhor este evento, é preciso compreender qual contexto era esse e, em especial, uma parte importante da história da ilha caribenha: a Revolução Cubana.

O que foi a Revolução cubana?

Desde 1952, Cuba estava sob a direção de Fulgêncio Batista Zaldivar, que deu um golpe de estado em 10 de março daquele ano e estabeleceu uma ditadura militar, mas não sem resistência.

Em 1953, um grupo de rebeldes fez um assalto aos quartéis de Moncada e de Cespedes para armar a população e derrubar o governo.

Esse foi o evento que marcou o início da Revolução Cubana e entre os líderes do assalto estavam Fidel Castro e seu irmão, Raul. Eles foram capturados e condenados. Em 1955, Fidel recebe a anistia e se exila no México, voltando a Cuba com Ernesto Che Guevara e outros.

De volta à ilha, iniciou-se a guerrilha contra o regime de Batista em 1956. Em 1958, para evitar que armas chegassem aos rebeldes, o presidente dos Estados Unidos, Dwight Eisenhower, embargou a venda de armamentos para Cuba.

Porém, isso afetou mais o governo que os rebeldes. A ditadura não resistiu à campanha revolucionária e caiu em 1 de janeiro de 1959.

Como Cuba se tornou socialista?

De imediato, o governo cubano revolucionário não adotou o marxismo-leninismo como modelo teórico. Os líderes tentaram uma aproximação com os Estados Unidos, pedindo a queda do embargo de 1958.

Porém, o governo americano rejeitou as propostas cubanas e tramou para derrubar o governo de Fidel. Quando isso aconteceu, o mundo estava polarizado em dois blocos, um capitalista, liderado pelos americanos, e outro socialista, liderado pela União Soviética. Como os americanos não queriam negociar, os cubanos se aproximaram dos soviéticos.

Em 1960, o governo de Cuba comprou armas da União Soviética. Os Estados Unidos reduziram a cota de importação do açúcar cubano em resposta, mas os soviéticos se comprometeram a comprar o restante.

No mesmo ano, os americanos se recusaram a vender petróleo para Cuba, que passou a comprar dos soviéticos e estatizou as refinarias que existiam na ilha, que pertenciam aos americanos. A resposta dada pelos Estados Unidos foi a proibição de exportação de qualquer produto, exceto alimentos e remédios.

A isso se seguiram mais estatizações e mais embargos, até que Cuba aderisse ao bloco soviético de vez, com Fidel Castro declarando seu governo como marxista-leninista em 1961.

Para entender melhor o contexto e o que foi a crise dos mísseis, leia nosso texto sobre a Guerra Fria.

O que foi a crise dos mísseis de Cuba?

Em abril de 1961 os Estados Unidos ajudaram em uma tentativa de golpe contra Fidel Castro, treinando opositores do regime socialista de Cuba. Entre 17 e 19 de abril houve a invasão da Baía dos Porcos e a Batalha de Praia Girón, com o intuito de derrubar o regime.

Contudo, a tentativa foi mal sucedida e se associou à adesão de Cuba ao bloco soviético no agravamento das tensões entre os dois países.

Em 10 de outubro de 1962, aviões americanos sobrevoaram a ilha de Cuba e fizeram a identificação de construções em curso em um ponto isolado dela. Dias depois, fotos aéreas foram tiradas e mostravam a instalação de mísseis na região.

Os americanos identificaram como mísseis R-12 Dvina e R-14 Chusovaya, de médio alcance, que podiam atingir a costa leste e o sul dos Estados Unidos muito facilmente. O interesse cubano era evitar uma nova tentativa de invasão americana.

A crise se deu porque o presidente John Kennedy afirmou que os Estados Unidos não podiam admitir mísseis a míseros 150 km de distância de seu território e portanto não teria dúvidas em usar armas nucleares contra a ilha. Assim, a possibilidade de uma guerra nuclear cresceu.

O ponto mais crítico aconteceu quando a artilharia cubana abateu um avião americano, no dia 27 de outubro. Durante dias, houve suspense sobre o que iria acontecer, até que as negociações levaram ao fim da crise.

Continue lendo este artigo sobre o que foi a crise dos mísseis de Cuba para saber como ela chegou ao fim.

Como a crise dos mísseis de Cuba chegou ao fim?

A crise dos mísseis terminou no dia 28 de outubro de 1962, após algumas negociações que envolveram a ONU e a União Soviética.

Os cubanos se comprometeram a retirar os mísseis, se por sua vez os Estados Unidos fizessem o compromisso de não mais atacar a ilha. Além disso, a retirada de mísseis americanos na Turquia entrou no acordo, pois ameaçavam a União Soviética.

Entre as negociações houve a participação do Brasil, que chegou a enviar um representante à capital de Cuba, Havana, em 19 de outubro de 1962. O governo americano solicitou também que o Brasil intercedesse para facilitar uma aproximação com Fidel.

Como consequência da crise, as grandes potências assinaram um tratado de não proliferação das armas nucleares, em 1968. Além disso, muitos embargos a Cuba continuam valendo e alguns veem como as principais causas da frágil situação econômica do país.

Agora que você já sabe o que foi a crise dos mísseis, conheça outras 9 consequências da Guerra Fria.

O embargo americano realmente atrapalha Cuba?

O embargo que os Estados Unidos criaram contra Cuba dura mais de 60 anos, sendo o mais longo da história. Ele é um conjunto de leis que restringem o comércio entre empresas americanas e Cuba ou de produtos cubanos comercializados por empresas de outros países.

Muita gente critica essas leis, pois entendem que elas afetam Cuba de maneira muito negativa e são responsáveis pela pobreza do país. Alguns especialistas apontam que, ao contrário, a economia cubana era dependente da União Soviética, que chegou ao fim em 1990.

Com a queda do bloco socialista, Cuba perdeu seu principal aliado e começou a decair. Além disso, atualmente o principal fornecedor de produtos para Cuba (principalmente alimentos) são os Estados Unidos. 

O governo cubano também tem um longo histórico de dar calotes aos seus parceiros, o que dificulta criar relações comerciais com outros países.

Os embargos são feitos para pressionar a mudança de regime, com uma possível abertura e o avanço da democracia liberal e dos direitos humanos.

Mas independentemente disso, uma coisa é certa, caem questões sobre Cuba e sobre a Crise dos misseis no Enem. Muitos estudantes não chegam preparados para isso, mas com você pode ser diferente. 

O Beduka tem um Simulado Enem gratuito e ele serve para ajudar os estudantes a praticar com questões do próprio Enem e nota calculada via TRI. 

Se quiser testar os conhecimentos que aprendeu nesse artigo, você pode montar um simulado personalizado só com questões de história. Será um ótimo treino!

Esperamos que tenha entendido o que foi a crise dos mísseis de Cuba. Bons estudos!

Redação Beduka
Redação Beduka
Este conteúdo foi criado e validado por uma equipe multidisciplinar, formada por especialistas em cada área do conhecimento. O Beduka está presente no Instagram, YouTube, LinkedIn e em diversos outros ambientes digitais. O site foi criado em 2017 e, desde a sua fundação, atua para fornecer materiais de qualidade para facilitar a vida de estudantes de todo o Brasil, ajudando-os a se preparar para os principais vestibulares e o Enem.