LiteraturaMatérias

O que é poesia? Aprenda a definição, os autores e as características com exemplos!

O que é poesia Aprenda a definição os autores e as característicasO que é poesia Aprenda a definição os autores e as características

A poesia é um horizonte sem limites subjetivos, alicerçada por versos artisticamente bem elaborados. Falando no sentido figurado, poesia é tudo aquilo que alcança a alma, comove e aflora emoções. É isso que diferencia do poema que é um gênero literário. Leia o nosso artigo e desvende os segredos da poesia, suas características, definições e autores.

Neste texto sobre “O que é poesia?”, você encontrará os tópicos abaixo. Clique em um deles para ir diretamente ao conteúdo:

  1. O que é poesia?
  2. Quais são os tipos de poesia?
  3. Como surgiu e o que é o Eu-lírico?
  4. Os 6 principais autores brasileiros que se destacaram como Poetas. 
  5. Qual a diferença entre Poema e Poesia?
  6. Veja 2 exemplos de poesia na pintura e na escultura.

Estudando para as provas? Conheça O melhor Simulado do Brasil! Ele pode ser personalizado com as matérias que você mais precisa!

O que é poesia?

Antes de começarmos a falar de conceitos técnicos, o convido a navegar sem ressalvas em um universo mágico, ou devia chamar de poético? 

Não sei se a sua cidade é extremamente quente, ou melancolicamente fria, nem se você costuma caminhar sozinho, ou com os amigos. Eu realmente não sei nada sobre você.

Na poesia, ou seja, no mundo subjetivo, nós podemos nos conhecer apenas através da imaginação e das emoções. Há formas intrínsecas a todos os seres. A fome, a sede, o desespero, a paixão, a ambição…

Todo o resto acaba, inevitavelmente, sendo guiado por esses princípios estruturais básicos do corpo e da alma. Entenda que nesse mundo corpo e alma se misturam!

É exatamente isso que acontece com a poesia. Há a estrutura e aquilo que rege a estrutura. No fim, aquele apanhado fixo de palavras ou esculturas irá comunicar-se com o interior daquele que lê ou observa.

Agora adentremos no universo estrutural. A poesia pode estar inserida em forma de poema, que é a estruturação desses sentidos por meio de versos, estrofes e, geralmente, em rimas.

O poema é um gênero literário que corresponde a forma mais famosa de se conhecer poesia. Devido a isso, neste artigo as estruturas básicas do poema serão mencionadas.

Quais são os tipos de poesia?

Aqui precisamos abrir um paralelo no qual a poesia e o poema se confundem. O estado da alma descrito por meio de palavras, versos e estrofes compõem o que denominamos de poema.

Veja os três tipos principais tipos de poemas que dão evasão a poesia:

  • Poema épico: O poema épico surgiu da necessidade de se explicar momentos históricos com seus heróis e conquistas. Portanto, através deles, epopeias de feitos históricos são narradas em forma de versos.
  • Poema lírico: O poema lírico é aquele permeado por sentimentos e pensamentos do poeta. 
  • Poema dramático: O poema dramático é aquele que funde o épico e o lírico.  Isto é, há uma narrativa, porém o narrador é o personagem responsável pela ação. 

O que é o Eu lírico e como surgiu?

Você sabe desvencilhar o autor do eu lírico presente em suas composições? Para estabelecermos de uma vez por todas essa diferença, é importante que voltemos no tempo.

Mais precisamente, até a Grécia Antiga, quando surgiu o gênero lírico. Na época, as manifestações artísticas, educacionais, entre outras, eram predominantemente orais.

Devido a isso, havia a necessidade de recitar as palavras melodicamente. Para isso, os gregos utilizavam como fundo musical dessas composições as Liras. Essa é a origem do Gênero Lírico, no qual nasceu o famoso eu lírico.

O eu-lírico é um personagem que vai além do autor. O interior, o lado subjetivo, por vezes obscuro, desabrocha através das palavras, ganhando um aspecto físico, sem contudo deixar de ser sentido.

No entanto, o eu lírico nem sempre é a evasão do interior do escritor. Por vezes, é a voz de um terceiro, escrita pela habilidade humana de se colocar no lugar do outro. É sentir, e o sentir nem sempre se resume ao particular.

Há o Eu e há o outro, e entre os dois há sentimentos que se invertem e outros que se misturam. Assim, um homem pode utilizar o eu lírico feminino em seus versos, assim como uma mulher pode decifrar e emitir os segredos de uma criança e também pode ser dada voz à terra e ao universo.

Portanto, nem sempre um poema é autobiográfico.

Você já ouviu falar em heterônimos?

Fernando Pessoa, poeta português, era o mestre deles. Seus três mais famosos heterônimos eram Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. Cada um com sua distinta personalidade. 

É mais ou menos assim: Você é escalado para viver três papéis diferentes em uma novela. Contudo, você mesmo escreve o enredo, a personalidade, a vivência e as características de cada personagem.

Caieiro é do campo, ama a natureza e as coisas simples da vida. Ricardo estudou medicina, tem uma linguagem rebuscada, e valoriza o tradicionalismo. Campos é engenheiro, pessimista e amante da modernidade.

Por fim, ao terminar de escrever, Fernando Pessoa volta à vida com suas particularidades e anseios específicos. Há o autor e há o eu lírico representado por seus heterônimos.

Assim ficou bem mais fácil de compreender, não é?

Os 6 principais poetas brasileiros 

1- Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)

Poema mais famoso: 

No Meio do Caminho

No meio do caminho tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

tinha uma pedra

no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento

na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho

tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

no meio do caminho tinha uma pedra.

2- Manuel Bandeira (1886-1968)

  • Primeira Geração Modernista

Poema mais famoso:

Vou-me Embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz

Lá a existência é uma aventura

De tal modo inconsequente

Que Joana a Louca de Espanha

Rainha e falsa demente

Vem a ser contraparente

Da nora que nunca tive

3- Vinicius de Moraes (1913-1980)

  • Segunda Geração Modernista

Poema mais famoso:

Soneto de fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.

4- Cora Coralina (1889-1985)

Trecho de um dos poema mais famosos da autora:

O cântico da Terra

Eu sou a terra, eu sou a vida.

Do meu barro primeiro veio o homem.

De mim veio a mulher e veio o amor.

Veio a árvore, veio a fonte.

Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.

Sou o chão que se prende à tua casa.

Sou a telha da coberta de teu lar.

A mina constante de teu poço.

Sou a espiga generosa de teu gado

e certeza tranquila ao teu esforço.

Sou a razão de tua vida.

De mim vieste pela mão do Criador,

e a mim tu voltarás no fim da lida.

Só em mim acharás descanso e Paz.

Observação: Veja que no caso desse poema, a autora utiliza um eu lírico totalmente diverso do seu eu bibliográfico.  Esse eu lírico é a terra, chamada por muitos de mãe-terra. Como o exemplo citado no tópico : Como surgiu e o que é o Eu-lírico?

5- Mario Quintana (1906-1994)

  • Segunda Geração Modernista

Poema mais famoso:

Seiscentos e sessenta

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são 6 horas: há tempo

Quando se vê, já é 6ª-feira

Quando se vê, passaram 60 anos!

Agora, é tarde demais para ser reprovado

E se me dessem um dia uma outra oportunidade,

eu nem olhava o relógio

seguia sempre em frente

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

6 – Cecília Meireles (1901-1964)

  • Segunda Geração Modernista

Motivo

Eu canto porque o instante existe

e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste:

sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,

não sinto gozo nem tormento.

Atravesso noites e dias

no vento.

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço,

— não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.

Tem sangue eterno a asa ritmada.

E um dia sei que estarei mudo:

— mais nada.

Qual a diferença entre Poema e Poesia?

No decorrer desse artigo, provavelmente você pôde compreender um pouco desta diferença entre poema e poesia. Mas vamos lá!

Tenho certeza que desta forma você nunca mais irá esquecer!

É uma tarde ensolarada, porém fria. O vento gélido toca o seu rosto, você não está sozinho. É um bosque em frente ao rio, as folhas de outono colorem o chão.

Nessa hora sua mente esquece o vestibular, seu primeiro amor está ali, ao seu lado, compartilhando das mesmas sensações. Uma música de uma geração antiga toca ao fundo. Vocês se sentem dentro de um filme.

Um de vocês brada: Isso é poesia! Este momento é uma magnífica poesia.

Portanto, a poesia é uma linguagem do universo interior humano, aquilo que toca, que faz sentir. Ela pode estar inserida no meio físico de muitas formas diferentes. Uma pintura ou escultura também possuem poesia.

Vamos prosseguir!

Você chegou em casa e decidiu que desejava eternizar o momento. Vasculhou sua velha bolsa, tirou dela um caderno batido e uma caneta sem tampa. O essencial!

Sentou-se à mesa e começou a escrever:

Uma tarde ensolarada

Em consonância com o vento gélido

Folhas de outono arremessando o passado

A juventude cantarolando o futuro

Um amor, uma ressalva…

– Experiência cinematográfica de um romance de plebeus reais. 

Agora temos as figuras de linguagem, as emoções, o simbolismo concretizado através das palavras. Chega-se assim aos versos, às estrofes, às métricas ou à liberdade poética. Isso é poema!

Veja 2 exemplos de poesia na pintura e na escultura.

1- O Grito (Pintura)

Você consegue olhar para esta pintura sem ser invadido por um sentimento de inquietude?

A obra “O Grito” do pintor norueguês Edvard Munch é um exemplo perfeito de poesia nas artes plásticas. A pintura expressionista transmite um mix de angústia, desespero e ansiedade. 

2- Pietá (Escultura)

Através da escultura “Pietá”, do italiano Michelangelo, é possível instantaneamente sentir a dor e a lástima de uma mãe que perdeu o filho. Poesia, como já conversamos, é isso, comunicar sentimentos. 

Pietá significa piedade em italiano. Como não se compadecer de uma mãe com o filho sem vida sem seus braços?

A escultura está localizada na Cidade do Vaticano, na Basílica de São Pedro.

Gostou do nosso artigo sobre o que é poesia? Confira outros artigos do nosso blog e se prepare para o Enem da melhor maneira! Você também pode se organizar com o nosso plano de estudos, o mais completo da internet, e o melhor: totalmente gratuito!

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Experimente agora!

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador