Blog do Beduka | Matérias resumidas, Dicas e Exercícios Enem
HistóriaMatérias

Resumo do que foi a Guerra dos 6 Dias: causas e consequências!

O que foi a Guerra dos 6 dias Resumo com causas, contexto e consequências!O que foi a Guerra dos 6 dias Resumo com causas, contexto e consequências!

A Guerra dos Seis Dias (Terceiro Conflito Árabe-Israelense) foi a batalha mais rápida entre Israel e os países árabes, acontecendo entre os dias 4 e 10 de junho de 1967. Não só a duração, mas também as consequências desse conflito fizeram dela um marco! Leia nosso resumo para entender melhor o que foi a Guerra dos 6 Dias, causas e influências.

Neste texto sobre o que foi a Guerra dos 6 Dias, você encontrará os tópicos abaixo. Se quiser, clique em um deles para ir diretamente ao conteúdo:

  1. O que foi a Guerra dos 6 Dias?
  2. Qual é a data do Terceiro conflito árabe-israelense?
  3. Contexto histórico que antecedeu.
  4. Quais são as causas da Guerra dos Seis Dias?
  5. Estoura a batalha.
  6. Qual país venceu o conflito?
  7. Quais são as consequências da Guerra dos 6 Dias?
  • Depois você pode testar o que aprendeu, é só fazer o nosso Simulado ENEM gratuito! Ele pode ser personalizado com as matérias que você quiser.

O que foi a Guerra dos 6 Dias?

A Guerra dos Seis Dias, também conhecida como a Terceira Guerra Árabe-Israelense, foi o conflito mais rápido entre Israel e os países árabes.

Essa guerra é um dos vários acontecimentos no meio do contexto conturbado que já vinha acontecendo décadas antes, e que continuou acontecendo depois e até os dias de hoje.

Mesmo com vários fatores que circundam esse conflito, podemos dizer que sua principal marca é a rápida duração e como ela terminou

Quer saber como? Vamos começar:

Qual a data do Terceiro Conflito Árabe-israelense?

A Guerra dos 6 dias começou no dia 5 de junho de 1967 e terminou no dia 10 de junho de 1967. Por sua duração de exatos seis dias (uma raridade), este foi o nome escolhido para o conflito!

Em que contexto ocorreu a Guerra dos Seis Dias?

Os conflitos entre árabes e israelenses são muito antigos e bem complexos. Os judeus ocupavam a cidade histórica de Jerusalém e o seu redor a centenas de anos. Com o passar do tempo, foram se dispersando pelo mundo (chamamos isso de diáspora judaica).

Além da primeira diáspora houve outra depois, só que involuntária. Os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial fizeram com que muitos judeus fossem retirados de suas cidades para serem levados ao holocausto, e o antissemistismo se espalhou pelo mundo.

Essa movimentação de pessoas culturalmente ligadas à terra fez surgir o sionismo, um movimento mundial pela volta dos judeus ao seu território inicial.

Por outro lado, a Palestina já havia se tornado um local de identidade cultural para os árabes, que a ocuparam por décadas enquanto os judeus estavam fora.

Complicado, não? E a coisa só vai ficando mais complexa ainda…

Depois dos dois primeiros conflitos, em 1948, a ONU dividiu os territórios com porções para árabes e israelenses. Porém, somente Israel foi reconhecida como Estado-nação.

Isso impulsionou o sentimento nacionalista, tanto nos israeleses quanto nos árabes, que reinvidicavam seu reconhecimento naquela região. Esse dilema de quem fica e quem sai acabou desencadeando muitos conflitos por questões políticas, religiosas e culturais.

Na década de 50, os palestinos exilados fundaram o Al Fatah (luta armada e terrorismo), grupo político-militar com o objetivo de retomar os territórios palestinos e acabar com o Estado de Israel.

Seu principal líder era antissionista e anti-imperialista, pretendendo formar um Estado palestino laico no Oriente Médio. A partir dele, foi criada a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), em 1964, com algumas reformulações.

Quais são as causas da Guerra dos 6 dias?

Agora que já entendemos tudo o que estava acontecendo antes, vamos focar nas causas deste conflito em particular.

  • Em 1945, os países árabes se uniram na Liga Árabe, junto ao povo “sem nação” da Palestina. Eram eles: Síria, Egito, Líbano e Jordânia. Havia ainda, os países que dariam apoio militar caso algum entrasse em guerra, como Líbia, Arábia Saudita, Argélia, Kuwait e Sudão.
  • Momentos antes, o Egito havia sofrido uma revolução. Então, surge a polêmica da nacionalização do Canal de Suez e o fechamento do Tiran, o que afetou diretamente a irrigação e o comércio de Israel.
  • Por fim, o mundo se encontrava em um contexto de Guerra Fria, e os países árabes compravam armamento soviético.
  • O primeiro e segundo conflitos árabes-israelenses haviam acabado de acontecer, fazendo com que os ânimos ainda estivessem à flor da pele.

Treine com os exercícios de Guerra dos 6 dias que separamos para você!

Estoura a Guerra dos Seis dias…

Mapa de territorios palestinos e irlaelenses na guerra dos 6 dias

O clima cultural já era tenso, mas com a OLP, a Liga Àrabe, o Canal de Suez e o armamento soviético usado como ameaça a Israel; as coisas foram se tornando insuportáveis.

No dia 04 de Junho de 1967 os chefes militares israelenses fizeram uma reunião secreta e resolveram atacar, de surpresa, o Egito. No dia 05 de junho realizaram a operação Moked, que significa “foco”.

Os países árabes, juntos, possuíam 10x mais exércitos que Israel! Então, nessa operação, Israel fez um ataque aéreo preventivo ao oponente egípcio e conseguiu acabar com o exército inimigo.

No dia 10 de junho de 1967, Israel assinou um armistício acabando com a guerra.

O slogan da operação era “En breja”, significando “não há alternativa”. Os israelitas acreditavam que deveriam atacar logo ou seriam atacados posteriormente. Isso por causa da movimentação que estava acontecendo entre os árabes e as ameaças divulgadas em rádios.

Já os países árabes, alegam que Israel era expansionista e se aproveitou da formação da Liga Árabe como pretexto para anexar territórios. Assim, eles consolidariam o recém-formado Estado Israelense e manteriam sua vantagem.

Que país venceu o Terceiro Conflito Árabe-israelense?

Israel foi o país vencedor da Guerra dos Seis Dias, justamente porque teve uma ação militar relâmpago, fulminante. Assim, Egito, Síria e Jordânia saíram derrotados da batalha.

Mas não parou por aí…

Quais são as consequências da Guerra dos 6 Dias?

Ao fim do terceiro conflito árabe-israelense, Israel vitoriosa conseguiu anexar os territórios em que travou as batalhas. Eram eles: as Colinas de Golã, Faixa de Gaza e Margem Ocidental da Cisjordânia. 

Se a nacionalização do Canal de Suez havia deixado Israel sem irrigação, os novos territórios poderiam remediar isto. As áreas anexadas eram justamente as que compreendiam a nascente do Rio Jordão e os lençóis freáticos.

Por outro lado, os árabes da Palestina ficaram quase sem terra. Então, uma das consequências foi o surgimento de outro conflito futuro: a Guerra do Yom Kippur, em 1973.

Além disso, o número de árabes palestinos refugiados em países árabes da liga também aumentou. Por fim, Síria e Egito estreitaram ainda mais as relações com a URSS. Por causa disso, posteriormente Israel iria criar relações comerciais com os EUA.

Gostou do nosso artigo sobre o que foi a Guerra dos 6 Dias? Confira outros artigos do nosso blog e se prepare para o Enem da melhor maneira! Você também pode se organizar com o nosso plano de estudos, o mais completo da internet, e o melhor: totalmente gratuito!

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Experimente agora!

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador