História

6 principais consequências que a Crise de 1929 causou na Economia Mundial

quais as consequencias da crise de 1929quais as consequências da crise de 1929

A crise de 1929 foi a maior crise econômica da história dos Estados Unidos e teve consequências na economia do mundo inteiro.

Naquele ponto, a globalização já era uma realidade internacional e ter o seu principal agente econômico em crise, alastrou os problemas para os demais países, inclusive o Brasil.

Neste artigo, vamos apresentar quais as consequências da crise de 1929, como ela afetou os Estados Unidos e até mesmo o nosso país. No final, colocamos exercícios de vestibular para você praticar o que aprendeu.

Se você quiser ir diretamente para alguma parte específica do texto, clique em um dos tópicos abaixo:

Ganhe um desconto de até 65% na mensalidade do curso dos seus sonhos! Acesse o Beduka Bolsas e comece a estudar agora mesmo!

O que foi a crise de 1929?

A crise de 1929 foi a maior crise econômica que já atingiu os Estados Unidos e o Capitalismo como um todo. Ela iniciou em 1929 e se prolongou até a Segunda Guerra Mundial.

Esse período é conhecido também como a Grande Depressão, devido às consequências gravíssimas que causou.

Para entendermos bem o que foi e quais as consequências da crise de 1929, precisamos conhecer o contexto em que ela aconteceu.

Contexto histórico da crise de 1929

A economia americana estava em avançado progresso desde o final do século XIX. Seu campo industrial tinha crescido muito e a expansão de seu território garantiu um mercado consumidor interno gigante, além do externo que recebia suas exportações.

Com a chegada da Primeira Guerra Mundial e o enfraquecimento das demais potências mundiais envolvidas nela, como França e Inglaterra, os Estados Unidos começaram a se tornar a maior economia do mundo.

Durante os três primeiros anos do conflito eles foram o grande exportador de produtos para a Europa e após a guerra se tornaram credores dos europeus. Ou seja, passaram a emprestar dinheiro.

Neste momento, o Capitalismo se firmava também com sua terceira fase, em que houve uma junção entre o campo industrial e o financeiro. As bolsas e o mercado de ações eram o ambiente principal de investimento.

Para entender melhor quais as consequências da crise de 1929, leia nosso texto sobre as fases do Capitalismo.

O desemprego nos Estados Unidos era muito baixo, beirando os 4% e a produção seguia aumentando. O consumo era alto e o clima era de euforia geral.

Além disso, a emissão de créditos foi expandida e as pessoas tinham mais facilidade para pegar empréstimos, com baixa taxa de juros. Também passaram a investir no mercado financeiro, o que gerou aumento na compra de ações da Bolsa de Valores de Nova York.

O efeito disso foi o aumento disparado da especulação monetária. Compravam-se ações imaginando a valorização e uma revenda lucrativa. Como havia bastante demanda, o preço das ações subiu, criando uma sensação de prosperidade.

Contudo, ela era artificial. Sempre que havia indícios de pequenas recessões, o governo americano aplicava mais crédito para reparar danos. As taxas de juros se tornavam artificiais, sem lastro em reservas de crédito reais.

Ao receber o sinal falso de que tudo estava bem, os investidores expandiram seus negócios. Isso gerou uma bolha inflacionária, pois havia muito dinheiro circulando, mas sem valor real, que estourou levando a Bolsa de Valores de Nova York ao colapso.

Assim, muitas perdas vieram, tanto nas indústrias quanto na produção rural, e uma grave crise abateu os Estados Unidos e o mundo inteiro. Vamos entender melhor ao ver quais as consequências da crise de 1929.

Quais as consequências da crise de 1929?

As principais consequências que nos permitem entender o que foi a Grande Depressão de 1929 foram:

1- Aumento drástico do desemprego 

Essa foi a consequência mais duradoura e conhecida da crise de 1929. Nos Estados Unidos, o desemprego saltou de uma média de 4% entre 1923 e 1929 para 27%. As filas em busca de trabalho se tornaram quilométricas. 

Em 1933, o desemprego atingiu 13 milhões de americanos. Assim, a fome e a miséria atingiram milhões de famílias.

2 – Diminuição do PIB americano

Com a crise, o Produto Interno Bruto americano caiu consideravelmente entre 1930 e 1933. No ano de 1932, ele era apenas 70% do que se registrou em 1929, ano em que a crise começou.

Contudo, isso acontecia com oscilações. Se em 1932 houve crescimento negativo (deficit) de -13,2%, em 1936 o PIB cresceu 14,21%. Mas, somente em 1939 é que os resultados de 1929 foram superados. Uma década praticamente perdida para a economia americana.

3 – Queda na produção industrial e dos salários

Com a falência de diversas empresas, a produção industrial caiu bastante, sendo acompanhada pelos salários médios. Pode-se dizer que em 1933 um trabalhador recebia cerca de 44% do que se pagava em 1926.

Está gostando de estudar sobre a crise de 1929? Recomendamos para você o nosso artigo sobre indicadores socioeconômicos, que são as ferramentas usadas para estudar as economias mundiais. 

4 – Falência de diversas empresas e produtores rurais

Os preços agrícolas também caíram, o que diminuiu o rendimento dos produtores rurais e os levou à inadimplência de suas dívidas bancárias. Com isso, ficou exposta a dependência das instituições financeiras em relação ao sucesso ou fracasso dos produtores.

Com isso, os produtores faliram e levaram as empresas junto com eles.

5 – Queda nas exportações e importações

Mesmo decrescendo menos que a produção industrial, as trocas internacionais caíram muito também. Nos primeiros anos da crise, houve uma queda de até 22,5% das exportações americanas e de 19% das importações.

Lembrando que os Estados Unidos já tinham um papel central na economia do mundo. Por exemplo, ele era o principal parceiro comercial do Brasil na época, comprando boa parte do nosso principal produto: o café.

6 – A crise se estendeu por todo o mundo

A conexão bancária e a nascente globalização comercial, onde os Estados Unidos tinham papel central tanto como exportador quanto como consumidor, fez com que a crise atingisse todo o mundo.

Até o Brasil foi atingido. Vamos ver quais as consequências da crise de 1929 no nosso país.

Quais as consequências da crise de 1929 no Brasil?

O Brasil, em 1929, era um país agroexportador cujo principal produto era o café. Cerca de 70% das exportações nacionais eram deste produto.

Entre 1925 e 1929 os cafezais brasileiros tiveram supersafra. Ou seja, havia grande produção que tinha como principal destino os Estados Unidos, até então o seu maior consumidor.

Com as consequências da crise de 1929, a importação do café brasileiro para os Estados Unidos caiu bastante. O preço também despencou: de 22,5 centavos para 8.

Questões sobre as consequências da crise de 1929

Agora que já vimos quais as consequências da crise de 1929, vamos testar os conhecimentos com algumas questões.

Questão 1 – (Instituto Excelência – adaptado) Sobre a crise de 1929, analise as afirmativas abaixo:

I – A Crise de 1929, também conhecida como A Grande Depressão, foi a maior crise do capitalismo financeiro.

II – O colapso econômico teve início em meados de 1929, nos Estados Unidos, e se espalhou por todo o mundo capitalista. Seus efeitos duraram por uma década e tiveram desdobramentos sociais e políticos.

III – A Crise de 1929, no Brasil, enfraqueceu as oligarquias rurais que dominavam o cenário político e abriu caminho para a chegada de Getúlio Vargas ao poder, em 1930.

Assinale a alternativa CORRETA.

a) Apenas II e III

b) Apenas III

c) I, II e III

d) Apenas I

e) Nenhuma das alternativas

Questão 2 – (UFMG 2009) – Considerando-se a crise econômica mundial iniciada, em 1929, com a quebra da Bolsa de Nova Iorque, é CORRETO afirmar que:

a) a Alemanha sofreu impacto imediato e violento desse evento, em razão dos laços econômicos estreitos que vinha mantendo com os Estados Unidos.

b) a escassez de matérias-primas e de crédito, entre outras causas do crash norte-americano, muito contribuiu, na época, para alimentar a espiral inflacionária.

c) a URSS foi um dos países atingidos por esse evento, pois a recessão no mundo capitalista prejudicou as exportações de petróleo do país.

d) os países da América do Sul sentiram os efeitos desse evento, devido à repatriação do capital estrangeiro anteriormente investido nessa região.

Gabarito comentado das questões sobre quais as consequências da crise de 1929

Exercício resolvido da questão 1:

c) I, II e III

Todas as alternativas estão corretas. A crise começou com a quebra da bolsa de Nova York, em 1929 e durante uma década os índices econômicos oscilaram, com baixas significativas na produção e no comércio. Isso afetou o Brasil, país agroexportador, cujo principal produto era o café, e teve desdobramentos políticos.

Exercício resolvido da questão 2:

a) a Alemanha sofreu impacto imediato e violento desse evento, em razão dos laços econômicos estreitos que vinha mantendo com os Estados Unidos.

A Alemanha era um dos países europeus que recebiam créditos americanos para a sua reconstrução após a Primeira Guerra Mundial. Inclusive, a relação entre os países era uma das melhores, em razão dos Estados Unidos não terem aceitado o Tratado de Versalhes, imposto como punição contra os alemães vistos como culpados pela guerra.

Entre na faculdade com a ajuda do Beduka!

Você sabia que é possível entrar em uma faculdade de excelência sem fazer o Enem ou prestar vestibular? 

É isso mesmo! Com o Beduka Bolsas você entra em uma faculdade de qualidade, no curso dos seus sonhos e ainda economiza seu dinheiro.

O Beduka Bolsas é uma plataforma disponível 24 horas, onde você pode adquirir uma bolsa de estudos de até 65% de desconto na mensalidade. 

São mais de 90 opções de cursos para você escolher, em uma de nossas universidades parceiras.

Acesse o Beduka Bolsas agora mesmo!

Esperamos que tenha entendido quais as consequências da crise de 1929. Bons estudos!

Redação Beduka
Redação Beduka
Este conteúdo foi criado e validado por uma equipe multidisciplinar, formada por especialistas em cada área do conhecimento. O Beduka está presente no Instagram, YouTube, LinkedIn e em diversos outros ambientes digitais. O site foi criado em 2017 e, desde a sua fundação, atua para fornecer materiais de qualidade para facilitar a vida de estudantes de todo o Brasil, ajudando-os a se preparar para os principais vestibulares e o Enem.