História

Resumo da Escravidão no Brasil

Resumo da escravidão no BrasilResumo da escravidão no Brasil

Confira o resumo de como foi a escravidão no Brasil e entenda esse processo que teve início em meados de 1530 e terminou no dia 13 de maio de 1888.

Muitas questões relacionadas ao regime de escravatura adotado no Brasil na época colonial são cobradas no caderno de Ciências Humanas e suas tecnologias do Enem e de outros vestibulares. Pensando nisso, o Beduka preparou um resumo da escravidão no Brasil. Confira!

Se você está estudando para as provas de vestibular, confira o Simulado do Beduka! Ele é feito com as questões das edições anteriores do Enem e utiliza o método de correção TRI. É gratuito!

Resumo da escravidão no Brasil

A escravidão no Brasil iniciou-se em meados de 1530, quando os portugueses começaram a implantar de maneira efetiva as medidas de colonização da América portuguesa. O processo de escravização começou para atender as demandas portuguesas por mão-de-obra para trabalhar na lavoura e, posteriormente, na mineração.

Esse processo ocorreu, primeiramente, com os indígenas nativos e, entre os séculos XVI e XVII, foi substituída, de maneira gradativa, pela escravização dos africanos que foram trazidos ao Brasil por meio do tráfico negreiro – uma migração forçada de africanos para as colônias portuguesas da América.

A escravidão durou até 1888, tendo permanecido, ininterruptamente, no Brasil por cerca de 400 anos e suas consequências são sentidas até os dias de hoje, mais de 130 anos depois que a Lei Áurea aboliu essa prática no país.

Origem da escravidão no Brasil

O sistema de escravidão ocorrido no Brasil teve início no século XVI, mais especificamente em meados de 1530 quando os portugueses implantaram o sistema de capitanias hereditárias e deram início ao processo de colonização do Brasil.

Até então, os portugueses apenas haviam explorado o pau-brasil presente na região e o trabalho realizado pelos indígenas era feito através do escambo – ou seja, através da troca de serviços ou mercadorias sem fazer uso de moeda.

Os portugueses davam algumas bugigangas – objetos como apitos, espelhos, chocalhos – para os indígenas e, em troca, os nativos deveriam cortar as árvores de pau-brasil e carregar os troncos até as caravelas portuguesas.

A partir da implantação das capitanias hereditárias, começaram a ser incentivados o desenvolvimento de engenhos de produção do açúcar. Essa atividade era considerada mais complexa e demandava uma grande quantidades de trabalhadores braçais – atividade considerada inferior pelos portugueses. 

A solução encontrada pelos colonizadores portugueses foi de escravizar os indígenas, que, até então, era a única mão-de-obra disponível para esse trabalho. 

Escravização dos indígenas

Indígenas sendo escravizados

Estima-se que até o século XVII, os indígenas tenham sido a única mão-de-obra escrava que os portugueses dispunham, quando, então, os escravos africanos começaram a se tornar maioria no Brasil.

Para os portugueses era muito mais barato escravizar um indígena, em relação à um africano. Apesar disso, uma série de fatores tornavam essa prática muito mais problemática e conturbada. 

O primeiro fator que tornou a prática problemática foi o fato de que os índios não estavam familiarizados com o trabalho contínuo para a produção de excedentes, característica que fazia parte da cultura europeia. 

Outro fator foram os conflitos que ocorreram entre os colonizadores e os jesuítas. Esses conflitos aconteciam, pois os jesuítas eram contra a escravização dos indígenas, pois consideravam-os como um grupo que poderia ser catequizado.

A pressão dos jesuítas sob a Coroa foi tão grande que foi decretado a proibição da escravização dos indígenas. Apesar disso, em muitos lugares a prática continuou, principalmente em locais onde a economia não era tão próspera. 

Escravização de africanos

Africanos sendo escravizados

Em meados de 1550 começaram a chegar os primeiros africanos ao Brasil, trazidos por meio do tráfico negreiro. Os portugueses possuíam feitorias instaladas desde o século XV e, desde então, mantinham relações comerciais com o reinos africanos, que incluíam a compra de escravos.

A colonização no Brasil foi se desenvolvendo e a necessidade por mais mão-de-obra era cada vez mais, o que fez com que o comércio de escravos africanos prosperasse muito. O tráfico negreiro era extremamente lucrativo, tanto para os traficantes, quanto para a Coroa Portuguesa.

Os escravos vinham para o Brasil amontoados dentro dos porões de navios – denominados navios negreiros – e eram vendidos nos portos brasileiros. Durante a longa viagem até o Brasil, muitos africanos não sobreviviam e seus corpos eram lançados no mar, como uma alternativa de diminuir o peso nos navios.

Os escravos africanos, primeiramente, atenderam as demandas da produção de açúcar nos engenhos. As jornadas de trabalho eram exaustivas, chegando a até 20 horas por dia e, além disso, eram marcadas pela violência vinda dos senhores de engenho. 

O trabalho feito pelos escravos africanos era considerado muito mais pesado do que trabalhar nas plantações. Isso é comprovado pelo fato de que nas moendas – local em que a cana-de-açúcar era moída para extrair seu caldo – era comum ocorrer acidentes em que os escravos acabavam perdendo mãos ou braços.

Já nas fornalhas e nas caldeiras – local onde ocorria o cozimento do caldo de cana – os escravos constantemente se queimavam. Essa etapa do trabalho era considerada tão árdua, que acabava sendo reservada para os escravos que eram considerados mais rebeldes.

O tratamento recebido pelos escravos era desumano. A alimentação, muitas vezes, era insuficiente e os escravos precisavam complementá-la com os alimentos obtidos de uma pequena lavoura que cultivavam aos domingos. Além disso, eles dormiam no chão da senzala e eram monitorados constantemente para evitar que fugissem. 

Os escravos que trabalhavam na casa-grande – residência dos donos dos escravos – recebiam um tratamento melhor. Eram alimentados e bem vestidos. Além disso, havia escravos que trabalhavam nas cidades em ofícios dos mais variados tipos.

Se os escravos cometessem qualquer tipo de erro ou desobedecessem, eles recebiam castigos físicos muito dolorosos. Entre as punições mais comuns, então os açoitamentos. Além dos maus-tratos e as péssimas condições em que viviam, as mulheres negras também muitas vezes eram exploradas sexualmente.

A escravização dos africanos não era aceita de maneira passiva e esse processo é marcado pela resistência e luta dos escravos que, muitas vezes, fugiam e formavam quilombos. Um exemplo da luta dos escravos é a Revolta dos Malês.

O fim da escravidão no Brasil

O Brasil foi o último país ocidental a abolir o trabalho escravo. A abolição ocorreu por meio do Lei Áurea, assinada pela princesa Isabel no dia 13 de maio de 1888. Apesar disso, a abolição foi um longo processo estimulado pelo debate público e pelas pressões vindas da Inglaterra, que queria o fim do tráfico de escravos pelo Atlântico.  

O processo de libertação dos escravos aconteceu gradativamente através de medidas legais que tentavam propor resoluções relacionadas à escravidão. Confira todas as medidas propostas abaixo:

  • Lei Eusébio de Queirós (1850): visava a proibição do tráfico negreiro. Através dessa lei, foi possível impedir a fonte que renovava os números de escravos no território brasileiro.
  • Lei do Ventre Livre (1871): também conhecida como Lei Rio Branco, determinava que os filhos de mulheres escravizadas nascidos a partir desta data seriam considerados livres.
  • Lei dos Sexagenários (1885): também conhecida como Lei Saraiva-Cotegipe, concedia liberdade para os escravos com mais de 60 anos de idade.

Além dessas medidas propostas, os escravos tiveram papel essencial no processo de desestruturação da escravidão no Brasil. Eles resistiram organizando fugas em massas e revoltas contra os senhores de engenho, formando quilombos, entre outras ações.

A pressão popular e as constantes revoltas dos escravos obrigaram o Império a abolir o trabalho escravo. No entanto, os escravos que foram libertos continuaram sofrendo com o preconceito e com a falta de oportunidades.

Gostou do nosso resumo da escravidão no Brasil? Confira outros artigos do nosso blog e se prepare para o Enem da melhor maneira! Você também pode se organizar com o nosso plano de estudos, o mais completo da internet, e o melhor: totalmente gratuito!

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Experimente agora!

Redação Beduka
Redação Beduka
A equipe de redação do Beduka é composta por pessoas de várias formações, sempre prontas a aprender sobre tudo para publicar os melhores textos e colaborar com a formação de todos os leitores. Sinta-se a vontade para deixar o seu comentário!

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador