História

Resumo da Revolução Francesa! Causas, principais acontecimentos e consequências

Procurando um Resumo da Revolução Francesa Vem ver esse artigo completo!Procurando um Resumo da Revolução Francesa ?Vem ver esse artigo completo!

Resumo da Revolução Francesa: movimento revolucionário entre 1789 e 1799 que marcou o fim do Antigo Regime. Começou na França e espalhou para a Europa, acabando com o absolutismo. Inspirados pelo Iluminismo, o contexto era de crise no final do século XVIII. Foi liderada por burgueses e apoiada por camponeses, opondo-se ao clero e à nobreza.

Neste artigo com o resumo da Revolução Francesa, você encontrará todos os tópicos abaixo, com explicações e exemplos detalhados. 

Se quiser, clique em um tema para ir diretamente ao conteúdo:

  1. Resumo: o que foi a Revolução Francesa?
  2. Quais foram as principais causas.
  3. Resumo do Contexto histórico da Revolução Francesa.
  4. Popularização do Iluminismo.
  5. Resumo das causas da Revolução Francesa.
  6. Desigualdade social.
  7. Crise econômica.
  8. Revolução Americana.
  9. Resumo do Início da Revolução Francesa.
  10. A queda da Bastilha.
  11. Resumo das três grandes fases da Revolução Francesa.
  12. A Assembleia Nacional Constituinte.
  13. Monarquia Constitucional.
  14. Girondinos e Jacobinos.
  15. A Convenção Nacional.
  16. Terror Jacobino.
  17. O Diretório.
  18. Como terminou a revolução?
  19. Resumo das Consequências da Revolução Francesa.

O movimento revolucionário francês é um tema bastante recorrente no ENEM e em outros vestibulares. Para te ajudar a compreender mais sobre o tema e se preparar para a prova, preparamos um Resumo da Revolução Francesa.

Resumo: O que foi a Revolução Francesa?

A Revolução Francesa foi um processo revolucionário que ocorreu entre 1789 e 1799 na França. Foi a burguesia quem a liderou e, por isso, ela é uma das Revoluções Burguesas.  

Resumidamente, a burguesia estava insatisfeita com a pobreza e com a aristocracia francesa. Essa também era uma época em que surgiram as novas ideologias, chamadas de anticlericais ou anti-cristãs. 

Movida por esse cenário, a burguesia conquistou o apoio dos camponeses e incentivou-os a pegar em armas. Depuseram o rei matando-o, mas também matavam qualquer um que discordasse de suas ideias.

Ela espalhou pelo mundo os ideias de “igualdade, fraternidade e liberdade”. Este era o seu lema, representado por uma imagem da Marianne, uma mulher erguendo a bandeira da França, personificando as ideias revolucionárias.

Esse lema está presente até os dias de hoje, e inspirou acontecimentos marcantes da história da humanidade durante a Idade Moderna. 

Mas isto é um grande paradoxo, pois os revolucionários não aplicam esses três valores àqueles que discordam de seus métodos. Foram aproximadamente 18.000 assassinatos em 10 anos. 

Grande parte das mortes aconteceram na segunda das três fases da revolução, mas a forte oposição aos que discordam sempre foi uma marca desse movimento. 

Há outras causas e características importantes que veremos adiante, detalhando essas fases e seus acontecimentos! Também entenderemos melhor o contexto em que tudo isso surgiu.

Atenção: o termo “revolução” é usado para se referir às mudanças drásticas, movimentos violentos que alteraram a base e a estrutura de uma sociedade. Já “revolta” são mudanças superficiais, que não é este caso.

Quais foram as principais características da Revolução Francesa?

As principais características da Revolução Francesa, que a difere das outras Revoluções burguesas, foram: participação de camadas populares no processo revolucionário, defesa dos ideais iluministas, separação da Igreja e do Estado e exaltação da Razão.

Ao final do artigo, teste seu conhecimento com nossos exercícios sobre a Revolução Francesa.

Contexto Histórico da França pré – revolução

No final do século XVIII, a França vivia em um regime monárquico absolutista, em que o rei era Luís XVI. O poder de Luís XVI era absoluto, ele mesmo disse “O Estado sou eu”.

Nesse contexto, a sociedade francesa era estratificada em grupos sociais muito bem definidos. A composição social da França era a seguinte:

  • Primeiro Estado: clero;
  • Segundo Estado: nobreza;
  • Terceiro Estado: restante da população (burgueses, camponeses, artesãos e escravos).

São mais de 200 resumos gratuitos no Instagram do Beduka. Aproveite!

Popularização do Iluminismo

Nós estamos falando de um contexto que foi antecedido pelo fim da Idade Média e se sucedeu ao Renascimento

Na época feudal, a ciência havia começado a ser desenvolvida dentro dos mosteiros, trazendo grandes revelações à humanidade. Essas pesquisas eram feitas com muito cuidado, pois o intuito não era buscar um progresso a todo custo, mas entender a criação de Deus. Além disso, as ferramentas ainda estavam sendo desenvolvidas.

Porém, certos religiosos desobedeciam a Igreja e davam maus exemplos. Isso gerou uma resistência à religião como um todo. Em um ato generalizado, a sociedade tendeu a se desvincular da religião e valorizar somente a ciência e a razão puras.

Assim, houve uma popularização da racionalidade voltada para combater a religião, retomando (renascendo) os valores pagãos da Grécia e Roma Antiga. 

Nesse contexto, surge ainda o Iluminismo, uma ideologia que retirava os aspectos místicos do renascimento e defendia somente a autoridade da razão. Ela era vista como a maior de todas as formas de se obter conhecimento, inspirados pelo método científico.

Exaltava-se a liberdade (a todo custo), o constitucionalismo (todos os princípios devem estar na lei para valer) e a defesa da separação da Igreja e do Estado (proibição de mencionar assuntos de credo na esfera pública).

Resumo das causas da Revolução Francesa

Veja os motivos que levaram à revolução. Eles envolvem principalmente a desigualdade, a pobreza, a crise econômica que gerou fome e mortes e a influência da Revolução Americana.

As principais causas (com explicação) da Revolução Francesa foram:

Desigualdade Social

A divisão social, naquela época, trouxe uma desigualdade social muito aparente por causa do modo como o rei conduzia as coisas.

Ele desvalorizava o Terceiro estamento, enquanto ao Primeiro e Segundo foram dados privilégios. Estes dois estavam isentos de pagar impostos, diferentemente do restante da população.

O Terceiro Estado era constituído por diferentes grupos, como a burguesia e os camponeses. Os camponeses ficavam cada vez mais pobres à medida que a aristocracia (nobreza) francesa vivia com muito luxo.

A nobreza não gerava riqueza econômica significativa, apenas consumiam os recursos. Para a burguesia, os privilégios da aristocracia do país eram um obstáculo para a evolução de seus negócios.

A burguesia acabara de ganhar destaque, pois estamos em um contexto com menos princípios para limitar o comércio. Por exemplo, não há mais uma moral religiosa que fale sobre os excessos de lucro ou sobre o tipo de mercadoria que seja ético vender. 

Além disso, no início os burgueses eram apoiados pelo rei, pois eram vistos como um aliado para enriquecimento. Porém, logo a burguesia viu que o rei iria controlar tudo, então se revoltou contra ele também.

Crise Econômica

A desigualdade social se intensificou ainda mais com a crise que existia na França. A crise econômica francesa era resultado dos elevados gastos do país.

Esses gastos foram agravados pelo envolvimento da França em conflitos no exterior. A existência de privilégios para os Primeiro e Segundo Estados no país também contribuía para a crise.

A crise econômica na França fez com que o custo de vida aumentasse, a demanda de empregos fosse reduzida, e os impostos cobrados pela nobreza aumentassem.

Essa crise já era o suficiente para levar os camponeses à fome. Além disso, entre 1788 e 1789, a França passou por um inverno rigoroso, que prejudicou as colheitas e fez com que a alimentação tivesse um custo ainda maior para todos.

Inúmeras tentativas de reformulação tinham sido sugeridas, mas não avançaram porque o Primeiro e Segundo Estados haviam se mostrado resistentes às chances de reformas que pudessem acabar com alguns de seus privilégios.

Assim sendo, em 1789, a França se encontrava uma condução crítica. A crise econômica era grave e a pobreza e a fome levaram a população a um estado de quase rebelião.

Revolução Americana

Por fim, temos também um contexto em que havia acontecido a primeira grande revolução política da Idade Moderna. No dia 4 de julho de 1776, a Revolução Americana ou Independência dos Estados Unidos foi declarada. 

Nesse processo, vemos uma ex-colônia que ganhou autonomia e relevância diante de todo o mundo, aderindo aos valores burgueses e rompendo com o regime monárquico. Não por coincidência, ele também foi inspirada pelos valores Iluministas.

É pela soma desses fatores que a República ganhou destaque e se tornou um ideal de perfeição para muitas nações.

Resumo do início da Revolução Francesa

A solução encontrada pela nobreza francesa, diante de todo esse caos, foi convocar os Estados Gerais. Essa era uma reunião criada na França feudal para situações de emergência, em que todos os setores se uniam para discutir o problema e achar solução.

Esta pareceu a melhor estratégia para a aristocracia manter seus privilégios e tentar combater a crise ao mesmo tempo. Isso porque era comum nos tempos antigos o Primeiro e Segundo Estados se unirem e ter mais força de voto.

No entanto, o Terceiro Estado propôs uma alteração no funcionamento dos Estados Gerais. A proposta era de que o voto não fosse mais por Estado, mas sim individual. Dessa forma, todos os membros de todos os Estados teriam direito ao voto.

Também esta era uma proposta que parecia a melhor chance dos burgueses, porque eles sabiam que, convencendo os camponeses e artesãos, eles somariam mais votos e venceriam.

O rei da França não aceitou a proposta. Diante desse cenário, o Terceiro Estado rompeu com os Estados Gerais e fundou a Assembleia Nacional Constituinte.

Ela tinha o objetivo de elaborar uma Constituição que traria mudanças para a França, fazendo com que ela se tornasse uma monarquia constitucional. Quando Luís XVI tentou fechar a Constituinte à força, a população parisiense se rebelou.

Os burgueses já tinham mais força econômica que o próprio Estado. Além disso, a burguesia havia convencido o restante da população, que estava ávida por qualquer solução contra aquele que havia desvalorizado seu setor.

Então, no dia 12 de julho de 1789, a população francesa tomou as ruas de Paris. No dia 13, uma Comuna foi criada por operários para governar Paris. Também foi formada uma Guarda Nacional, um tipo de milícia popular.

O marco mais importante do início da Revolução: A Queda da Bastilha

resumo da revoluçao francesa a queda da bastilha

No dia 14, a população saiu para tomar armas e pólvora do governo, atacando a Bastilha. Esta era uma antiga fortaleza que foi transformada em prisão para os que se opunham aos reis da França.

Assim, os revoltosos invadiram e tomaram o controle da prisão. Claramente esse lugar simbolizava a opressão absolutista, então sua destruição era vista como forma de resistência. 

Muito além disso, era um local de depósito de armas, então também serviu de matéria-prima para que os revolucionários iniciassem a guerra civil.

Depois desse dia, a revolução espalhou-se por toda a França, alcançando novas cidades e chegando ao campo.

Etapas da Revolução Francesa

Após a queda da Bastilha, a revolução se espalhou por toda a França e se estendeu pelos próximos dez anos. Só chegou ao fim quando Napoleão Bonaparte assumiu o poder do país por meio do Golpe de 18 de Brumário. Até acontecer isso, muita “água rolou”. 

O resumo da Revolução Francesa pode ser dividido em períodos que correspondem às instituições políticas que atuaram no país:

  • Assembleia Nacional Constituinte e Assembleia Legislativa (1789-1792);
  • Convenção Nacional (1792-1795);
  • Diretório (1795-1799).

Assembleia Nacional Constituinte e Assembleia Legislativa (1789-1792)

Esse período corresponde aos anos em que foi redigida uma Constituição para a França e ao período da Assembleia Legislativa. 

A queda da Bastilha fez com que a revolução se espalhasse por toda a França, e os camponeses foram ao ataque, com medo de que a nobreza francesa tomasse alguma atitude e os deixassem sem alimento.

Conhecida como Grande Medo, essa investida aconteceu entre julho e agosto de 1789 e ficou marcada por saqueamentos e ataques contra propriedades da nobreza, seguidos de, em muitos casos, assassinato do proprietário do local. 

O fim de alguns impostos e o maior acesso aos alimentos eram os principais motivos da luta dos camponeses. À medida que a população se tornava radical, muitas mudanças ocorreram na França. Todos os privilégios feudais foram banidos.

Logo a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi anunciada. Este documento determinava (em teoria) que todos eram iguais perante a lei. Mas os fatos apontam que isso só era praticado para aqueles que concordassem com o método revolucionário.

Esta declaração pode ser considerada a mais importante de toda a Revolução Francesa e inspirou as cartilhas internacionais que temos até hoje. Com base no constitucionalismo, os direitos que já existiam como valores, passam a ser legislativos e fiscalizados.

Por fim, a radicalização do povo fez com que a burguesia e a classe média tomassem um posicionamento conservador, com o objetivo de reter o ímpeto da população.

A França se torna Monarquia Constitucional

Os Primeiro e Segundo Estados começaram a fugir da França, indo para países como a Áustria e Prússia. O rei Luís XVI também tentou fugir do país, mas foi reconhecido e trazido de volta ao Palácio de Tulherias.

Durante esse período, os revolucionários atacaram também os privilégios do clero através da Constituição Civil do Clero, em 1790. O objetivo era submeter a Igreja à autoridade do Estado, sendo controlada por ele.

Isso contribuiu para que o clero aderisse à Contrarrevolução, pois viu que não lhe restaria nenhuma autonomia. Os revolucionários tinham ódio à fé Cristã e queriam mudá-la por dentro.

Em 1791 a nova Constituição Francesa foi promulgada, tentando interromper a radicalização. A França foi transformada em uma Monarquia Constitucional, contrariando o desejo de muitos em fazer do país uma República democrática.

Em resposta a isso, a Assembleia Nacional Constituinte se transformou em Assembleia Legislativa.

Girondinos e jacobinos

Os dois grandes grupos políticos que marcaram a Revolução Francesa se consolidaram: Girondinos (sentavam à direita no saguão de reunião) e jacobinos (sentavam à esquerda). 

Note que ambos eram revolucionários. Os que queriam manter a ordem e fazer apenas modificações pontuais se sentavam ao centro.

Os Girondinos entendiam que as mudanças deveriam ser contidas, já os Jacobinos achavam que as mudanças deveriam ser mais radicalizadas.

Além disso, nesse período a Assembleia Legislativa declarou guerra com muitas outras nações da Europa. A Revolução Francesa era uma ameaça a todos os países absolutistas e muitos deles conspiraram para invadir a França. 

Assim, a Assembleia Legislativa se antecipou e declarou guerra contra a Áustria e a Prússia. Essa declaração fez com que a Revolução Francesa se radicalizasse ainda mais, dando início ao período chamado TERROR. 

O clima de guerra empurrou a sociedade francesa para o lado dos jacobinos e dos sans-culottes (“sem culotes”, ou seja, os pobres que não tinham culote nas calças, como era a dos nobres). 

Como resultado disso, os sans-culottes organizaram-se, derrubaram a Monarquia Francesa e instauraram a República.

Convenção Nacional (1792-1795)

Após a instituição da República na França, em 1792 a Assembleia Legislativa deu lugar à Convenção. Os membros da Convenção foram escolhidos através do sufrágio universal masculino (voto para todos). 

Enquanto os girondinos exigiam que Luís XVI fosse exilado, os jacobinos exigiam sua execução. Quando descobriram que Luís XVI estava se associando à Contrarrevolução, o rei foi executado em janeiro de 1793.

Após a execução, os jacobinos radicalizaram ainda mais a revolução para tentar implantar uma agenda reformista na França.

Liderados por Maximilien Robespierre, os jacobinos impuseram seus ideais a todos, por meio do Comitê de Salvação Pública. Fizeram com que sua organização fosse valer até mesmo acima da Convenção, a instituição mais importante do país.

Veja só a que ponto os revolucionários chegaram: 16 religiosas carmelitas foram condenadas à guilhotina (máquina de cortar cabeças) porque se recusaram a assinar o manifesto revolucionário. Elas continuaram no convento rezando e foram mortas por isso.

Isso aconteceu no dia 17 de julho de 1794 e há um filme chamado “O diálogo das Carmelitas” que documenta esse fato. Mas isso não foi só com elas. 

Todos os que eram padres, camponeses, membros da corte, da nobreza e qualquer um que discordasse da causa (até mesmo entre os revolucionários), era morto só por ter uma posição diferente.

A partir daí, a morte por guilhotina se generalizou e começou a pior das fases da Revolução Francesa: O terror jacobino.

O Terror Jacobino

resumo da revoluaçao francesa e do terror jacobino com as mortes por guilhotina

A República governada pelos jacobinos conseguiu estabilizar a situação do país e controlar a guerra e a população. No entanto, isso foi feito à custo de mortes dos que discordavam. Além disso, a guerra se agravou depois da execução de Luís XVI.

Então a Lei dos Suspeitos foi imposta pelos jacobinos, dando permissão para perseguir todos os que fossem considerados inimigos da revolução. Os suspeitos eram julgados, condenados e guilhotinados.

Até então, já haviam mortes para a implantação da república jacobina. Mas agora eram cada vez mais mortes para que ela permanecesse vigorando conforme suas leis.

A postura dos jacobinos gerou um desconforto por parte dos grupos mais conservadores, que decidiram reagir com o apoio da alta burguesia francesa. Eles articularam um golpe chamado Reação Termidoriana, que aconteceu em 1794.

A partir dessa data, os girondinos tomaram uma série de medidas que reverteram as decisões jacobinas. Em 1795, a Convenção foi substituída pelo Diretório. Com a Reação Termidoriana vários jacobinos, incluindo Robespierre, foram também guilhotinados. 

Diretório (1795-1799)

Com a derrota dos jacobinos, a alta burguesia e os girondinos redigiram uma Nova Constituição para o país, restaurando algumas medidas. Foi um período autoritário em que o exército foi utilizado para reprimir o povo várias vezes. 

A alta burguesia defendeu o autoritarismo devido à instabilidade que o país vivia, pois a população estava insatisfeita, a economia estava em colapso e as ameaças de guerra eram iminentes. 

Então, a implantação de uma ditadura autoritária começou a ser defendida.

Além do mais, houve tentativas de golpe por parte de jacobinos para retomar o poder e até de monarquistas para voltar tudo ao início.

Como terminou a Revolução Francesa?

Em meio ao contexto do Diretório, surge o apoio da população à Napoleão Bonaparte, general que liderava os exércitos franceses. 

Ele era visto como uma figura que agradava um pouco a cada grupo, porque combinava aspectos dos girondinos (que eram revolucionários burgueses moderados) e a não propagação do ódio à nobreza e ao clero, embora não os favorecesse.

Assim, Napoleão organizou um golpe para tomar o poder da França em 1799, em um evento conhecido como Golpe do 18 de Brumário

Iniciou-se, então, o Período Napoleônico, que ocorreu de 1799 a 1815. Esse governo foi dividido em três fases (Consulado (1799-1804), Império Napoleônico (1804-1815) e Governo dos Cem Dias (20/03/1815 a 08/07/1815). 

Em cada momento Napoleão tendia a uma forma de governo, aparentando uma figura controversa. Porém, conseguiu manter certa estabilidade social, como não se via desde antes da revolução, e isso foi o suficiente para se manter no poder.

No fim das contas, ele só foi tirado do governo com a derrota na Batalha de Waterloo. Isso porque ele havia expandido sua influência militar, política e autoritária por toda a Europa, ditando como os países deveriam reger sua economia e criando guerras.

Resumo das Consequências da Revolução Francesa

As principais consequências da Revolução Francesa foram:

  • Aproximadamente 18.000 pessoas assassinadas na guilhotina (cerca de 4 por dia);
  • Desestabilizou a França de forma que nunca mais prosperou como antes da Revolução;
  • Império do Estado sobre a liberdade religiosa e perseguição dos cristãos;
  • Desunião do povo francês;
  • Fim do feudalismo e início da consolidação do capitalismo;
  • Queda do absolutismo em toda a Europa;
  • Inspirou os movimentos de independência na América, sobretudo das nações colonizadas pela Espanha;
  • Popularizou a república como forma de governo;
  • Popularizou a ideia de separação dos poderes;
  • Garantiu a aplicação dos ideais liberais de liberdade individual do lema “todos os homens são iguais perante a lei”;
  • Consolidou o nacionalismo enquanto ideologia de reconhecimento do dever patriótico;
  • Influenciou futuras ideologias a adotar o método revolucionário e o apelo aos pobres para conquistar seus objetivos políticos;
  • Foi a primeira tentativa de uma Declaração Universal de Direitos Humanos.

Se gostou do nosso artigo com o resumo da Revolução Francesa, confira outros artigos do nosso blog e se prepare para o Enem da melhor maneira! Você também pode se organizar com o nosso plano de estudos, o mais completo da internet, e o melhor: totalmente gratuito!

Queremos te ajudar a encontrar a FACULDADE IDEAL! Logo abaixo, faça uma pesquisa por curso e cidade que te mostraremos todas as faculdades que podem te atender. Informamos a nota de corte, valor de mensalidade, nota do MEC, avaliação dos alunos, modalidades de ensino e muito mais.

Experimente agora!

Redação Beduka
Redação Beduka
A equipe de redação do Beduka é composta por profissionais de várias formações (professores, jornalistas, filósofos), sempre prontos a oferecer os melhores conteúdos educacionais com foco no Enem e colaborar com a formação de todos os alunos. Sinta-se a vontade para deixar o seu comentário!

2 Comentários

  • Quero saber da mulher no centro do quarto representa a liberdade. Expliquei porque os franceses lutavam por esse ideal e qual a sua importância para a vida em sociedade

    • A mulher de quem você fala é Marianne, segurando a bandeira da França, usando um barrete frígio. Ela foi pintada para representar os valores da liberdade, igualdade e fraternidade.

Sisu

Enem

Matérias

Simulado

Buscador